domingo, 24 de agosto de 2014

AS RAINHAS DO RÁDIO: O ÚLTIMO REINADO

Falecida em 12 de abril de 2011, a cantora, atriz e apresentadora Julie Joy foi a última Rainha do rádio em 1958


Por Bruno Negromonte - @brunonegromonte


Dando início a série que abordará ao longo das próximas semanas o nome daquelas que foram eleitas Rainhas do rádio optei por começar de trás para a frente. Como assim? Vou explicar melhor... Começarei a falar da última artista a ter ganho o título perpassando por todas os outros nove nomes que alcançaram o título durante o tempo em que o concurso vigorou.

Com o advento da televisão a partir de 1950 a popularidade do rádio deu uma significativa baixa nos anos subsequentes e os programas de auditórios que antes levavam centenas de pessoas as emissoras muitas vezes ao longo de todos os dias da semana foram aos poucos perdendo a guerra para a comodidade do sofá e aparelhos de tv. Essa mudança de hábito acabou refletindo-se também naquele que era considerado sem dúvida alguma o maior e mais popular concurso artístico ao longo as últimas décadas:  o concurso para eleger a Rainha do Rádio.

Em 1958, quando o concurso já não contava com adesão das centenas de milhares de eleitores de outrora, foi realizado o último concurso para eleger aquela que ostentaria o mais cobiçado e nobre título do rádio brasileiro. A vencedora talvez não soubesse que aquela eleição seria a última e, além de consagrá-la e alavancar a sua carreira, a cantora ostentaria seu reinado para todo o sempre, uma vez que não houve mais eleição nos anos subsequentes.

O concurso acabou sendo vencido pela carioca Beatriz da Silva Araújo, uma jovem com 28 anos incompletos e que adotava o nome artístico de Julie Joy. Seu avô  inaugurou a indústria farmacêutica no Brasil com o vinho Reconstituinte Silva Araújo (tônico), em 1888. Sua avó foi célebre cantora de operetas no princípio do século XX, no Brasil. Sua família era numerosa eram ao todo treze irmãos, sendo Beatriz  a caçula.




A sua carreira artística teve início ainda nos anos de 1940, mas precisamente em 1948 na Rádio Guanabara interpretando standards americanos. Um ano depois assinou contrato com a Rádio Nacional, por lá permaneceu pouco tempo, até que desistiu de cantar. Só voltaria a atuar como cantora em 1955, passando a interpretar juntamente com os hits americanos algumas músicas brasileiras. Em 1956, foi contratada pela etiqueta Sinter e lançou seu primeiro disco, com o fox-trot Verão em Veneza (Incini e Ribeiro Filho) e o samba Finge gostar (Meira e Chico Anísio). Nesse período além de trabalhar no Rádio, também atuou em diversos programas da TV Tupi carioca e gravou canções como o xote Amor é bom de dar (Bruno Marnet e Roberto Faissal), o beguine Sombras (Johnny Mercer e Lavello, versão de Arierpe), o bolero Tinha que ser (Fernando César), a Valsa do primeiro filho (Ari Rabelo e Luiz de França) o bolero Podes voltar (Othon Russo e Nazareno de Brito) e a valsa E a chuva parou (Ribamar, Esdras Silva e Vitor Freire). À época em que foi eleita Rainha do Rádio chegou também a atuar no cinema nos filmes "E o Bicho Não Deu...", produzido pela Herbert Richers, e "O Camelô da Rua Larga", pela Cinedistri.


Na década de 1960 chegou ainda a atuar como cantora e gravar canções como os fox Você não tem razão (Bartel, Burns e Magio) e Quero sonhar (J. Gluck Jr e F. Tobias) acompanhada da orquestra e do coro de Bob Rose e chegou a lançar pela Columbia o elepê u Jóias de Julie Joy. No entanto retirou-se da vida artística ao longo desta década dedicando-se a interesses pessoais como o casamento com o compositor João Roberto Kelli e as duas filhas do casal.






Um detalhe que interessante a ser registrado foi a amizade entre Julie e a não menos inesquecível Dolores Duran. Com escassos recursos no início da carreira de ambas e a necessidade de estarem bem afeiçoadas em suas apresentações nas emissoras de rádio e televisão, procuraram as mais diversas alternativas para amenizar esta adversidade. A compra de sapatos e vestidos demandava boa parte do orçamento, então, para poupar dinheiro, a compositora de A noite do meu bem costurava os vestidos que seria utilizada por ambas. Um dia usava Julie outro Dolores, depois o tingiam, acrescentavam acessórios para dar a impressão de que era novo.


Quando eleita, Julie Joy arrecadou 329.431 votos e na época declarou "Eu até estou acreditando que sou mesmo rainha. Não é por superstição ou vaidade, mas é que a coroa ajuda a carreira. Haja o exemplo das outras cantoras que foram Rainhas anteriormente". 

Esta série idealizada por mim tem por objetivo fazer com que o nome destas artistas, figuras de extrema popularidade à época dos respectivos reinados, não caiam no ostracismo em que estão condenados pelos grandes canais midiáticos. Ao menos aqui, no Musicaria Brasil, assim como  na memória afetiva de muitos, Julie Joy e tantos outros personagens da música e do rádio vivem e são devidamente reverenciados.

2 comentários:

OG BAPTISTA BARBOZA disse...

Acredito que não tenha ocorrido nenhum comentário porque as pessoas desconhecem o site. Mas que bom rever o passado do rádio brasileiro tão rico e tão abandonado! Gostei de saber que alguém lembrou da última Rainha do Rádio. Será que está ainda viva?

Bruno Negromonte disse...

Boa tarde Barboza! Obrigado pelo carinho ao espaço e à matéria por mim escrita. Infelizmente ela faleceu em 2011.

LinkWithin