PROFÍCUAS PARCERIAS

Gabaritados colunistas e colaboradores, de domingo a domingo, sempre com novos temas.

ENTREVISTAS EXCLUSIVAS

Um bate-papo com alguns dos maiores nomes da MPB e outros artistas em ascensão.

HANGOUT MUSICARIA BRASIL

Em novo canal no Youtube, Bruno Negromonte apresenta em informais conversas os mais distintos temas musicais.

sexta-feira, 6 de dezembro de 2019

MEMÓRIA MUSICAL BRASILEIRA

Por Luiz Américo Lisboa Junior


Orlando Silva - Carinhoso (1959) 

Uma das tradições da música popular brasileira é a revelação de grandes cantores que no decorrer da história deixaram um legado dos mais significativos afirmando-se como verdadeiros e legítimos patrimônios culturais do país. 

Houve um tempo em que o bel canto, o dó de peito, era sinônimo de força e beleza vocal, essa característica interpretativa gerou representantes ilustres destacando-se Vicente Celestino e Francisco Alves que tiveram seu apogeu entre as décadas de vinte a quarenta do século passado. Numa época em que o rádio como meio de divulgação de música popular dava seus primeiros passos esses artistas eram tratados como grandes ídolos nacionais e lotavam praças, teatros e seus discos vendiam aos milhares. Ocorre que com o surgimento de Mário Reis no final dos anos vinte até a segunda metade da década de trinta, quando ele se retira precocemente da vida artística, o dó de peito apesar de manter-se em alta divide seu prestígio em virtude da maneira descontraída e intimista que Mario empregou à sua interpretação. 

Por outro lado nos anos trinta tínhamos um mercado artístico promissor, pois além da força do radio, as gravadoras também apostavam em novos talentos a fim de formar um time de astros e estrelas que justificasse o investimento realizado e conseqüentemente a garantia de seus lucros. Vivíamos um momento fértil de produção artística e a musica popular era o segmento que mais crescia. Em virtude disso a cada hora surgiam novos valores, alguns alcançavam um êxito relativo e com pouco tempo sumiam de circulação, outros se mantinham em ascensão e tornavam-se grandes ídolos. Dentre esses últimos destacou-se Orlando Silva, um jovem humilde trocador de ônibus que tinha um timbre de voz encantador, afinadíssimo e uma sedução interpretativa sem precedentes.

Levado à presença de Francisco Alves em 1934 pelo compositor e boêmio Bororó para que este o ouvisse, o Rei da Voz logo se encantou com o talento do jovem rapaz conseguindo para ele uma oportunidade em seu programa na Rádio Cajuti, abrindo-lhe as portas para o mercado musical e conseqüentemente à carreira artística. Daí em diante o nome de Orlando Silva só fez crescer, gravou um disco na Columbia e em 5 de julho de 1935 gravava seu primeiro disco na R.C.A. Victor com as músicas No kilometro 2, de J.Aimberê e Para Deus somos iguais, de J. Cascata e J. Barcellos. 

A partir de então inicia uma brilhante carreira de sucesso jamais igualada em toda a história da música popular brasileira. Com apenas três anos de sua estréia na Victor grava até 1938 um total de 37 discos com 73 músicas, praticamente todas de grande êxito, como, Ùltima estrofe e Apoteose de amor, de Cândido das Neves; Chora cavaquinho, de Waldemar de Abreu; Dama do cabaré, de Noel Rosa; Alegria, de Assis Valente e Durval Maia; Abre a janela, de Roberto Martins e Arlindo Marques Junior; Caprichos do destino, de Pedro Caetano e Claudionor Cruz; Nada além, de Custódio Mesquita e Sady Cabral; Enquanto houver saudade, de Custódio Mesquita e Mário Lago; e Balalaika, de George Moran e O. Fernandes. 

Em 1938 após uma vitoriosa excursão a São Paulo onde protagonizou cenas impressionantes de popularidade e inéditas no Brasil, retorna ao Rio de Janeiro e ao se reapresentar no programa de Oduvaldo Cozzi da Rádio Nacional este o apresenta como O cantor das multidões, em alusão ao sucesso alcançado em São Paulo, firmando definitivamente o slogan que o identificaria pelo resto da vida. 

No ano de 1959 em comemoração aos seus vinte e cinco anos de carreira a R.C.A. Victor lança um disco contendo parte significativa de sua produção gravada entre 1937 e 1942. É um disco antológico com um repertório da mais alta qualidade, nele temos um intérprete com a voz um pouco mais grave daquela do início de carreira, mas conservando o timbre que o transformou no maior cantor brasileiro de todos os tempos. Ao regravar os antigos sucessos, Carinhoso de Pixinguinha e João de Barro; Lágrimas, Cândido das Neves; Mágoas de Caboclo, J. Cascata e Leonel Azevedo; Amigo Leal, Benedito Lacerda e Aldo Cabral; Súplica, Otávio Mendes, Jose Marcílio e Déo; Rosa, Pixinguinha; Lábios que beijei e Juramento Falso, J. Cascata e Leonel Azevedo; Aliança partida, Benedito Lacerda e Roberto Martins; Sinhá Maria, René Bittencourt, Jardineira, Humberto Porto e Benedito Lacerda e lançar o samba Aos pés da cruz, de Marino Pinto e Zé Gonçalves, Orlando Silva reafirmou seu grande talento. O LP foi um grande sucesso dando um novo impulso a sua carreira.

Sobre o disco destacamos alguns trechos do critico e pesquisador Ary Vasconcelos em sua coluna de O Jornal: "Estamos diante a nosso ver do mais importante lançamento de 1959 em matéria de música popular brasileira. (...) Orlando Silva reafirmou suas velhas qualidades que comoveram o Brasil há cerca de vinte anos. Para nós, Orlando Silva é o maior cantor brasileiro de todos os tempos. Sua voz sob o aspecto da beleza, não encontra absolutamente rival, pelo menos no Brasil. (...) Mas Orlando Silva não é apenas cantor dotado de insuperável beleza e voz é um intérprete dos maiores que já possuímos. (...) A maleabilidade de sua voz é extraordinária e Orlando que é um intérprete perfeito de música romântica é um sambista da melhor categoria. (...) Não canta nunca o mesmo verso da mesma maneira, sendo notável como se atrasa e se antecipa ao acompanhamento sem nunca perder o ritmo. Embora a Victor não tenha dado a Orlando o acompanhamento ideal, permitindo a entrada no estúdio do acordeão em nenhuma gravação antiga de Orlando se recorreu a esse instrumento (bom apenas para musicas sertaneja ou dançante), não poderemos negar a Orlando a nossa cotação máxima: 5 estrelas."

A partir daí, ele que pertencia ao elenco da Odeon e havia sido cedido para a realização deste LP, retorna a sua antiga e primitiva gravadora reiniciando uma série de gravações e lançando inúmeros discos de grande sucesso comercial.

Ao morrer em 1978 Orlando Silva já havia entrado para a história da cultura brasileira influenciando com seu canto grandes nomes da música popular que nele se espelharam como modelo de virtuosismo vocal e interpretativo, a exemplo de João Gilberto e Caetano Veloso.

Este LP, portanto, comemorativo de seu jubileu de prata, reafirma em letras maiúsculas o merecido título de O cantor das multidões alem de glória máxima de nossa canção popular.


Músicas: 
01) Carinhoso (Pixinguinha/ João de Barro) 
02) Lágrimas (Cândido das Neves) 
03) Mágoas de caboclo (J. Cascata/Leonel Azevedo) 
04) Amigo leal (Benedito Lacerda/Aldo Cabral) 
05) Spuplica (Otavio Mendes/Jose Marcílio/Déo) 
06) Rosa (Pixinguinha) 
07) Lábios que beijei (J. Cascata/Leonel Azevedo) 
08) Juramento falso (J. Cascata/Leonel Azevedo) 
09) Aliança partida (Benedito Lacerda/Roberto Martins) 
10) Aos pés da cruz (Marino Pinto/Zé Gonçalves) 
11) Sinhá Maria (René Bittencourt) 
12) A Jardineira (Humberto Porto/Benedito Lacerda)

quinta-feira, 5 de dezembro de 2019

GRAMOPHONE DO HORTÊNCIO

Por Luciano Hortêncio*






Canção: Chegou Papai Noel

Composição: Roberto Martins - Kid Pepe

Intérprete - João Petra de Barros

Ano - 1934

Álbum - Odeon 11.175-B



* Luciano Hortêncio é titular de um canal homônimo ao seu nome no Youtube onde estão mais de 10.000 pessoas inscritas. O mesmo é alimentado constantemente por vídeos musicais de excelente qualidade sem fins lucrativos).

quarta-feira, 4 de dezembro de 2019

PITTY LANÇA 'MATRIZ', PRIMEIRO DISCO EM 5 ANOS, DIALOGANDO COM SUA TERRA NATAL


Produzido pelo parceiro de longa data Rafael Ramos, o novo trabalho não representa exatamente um "retorno" às suas origens 


Resultado de imagem para pitty


Desta vez, Pitty resolveu inverter o processo: a turnê veio primeiro, e agora, nesta sexta-feira (26/4), o quinto e mais recente disco, Matriz, chega às plataformas digitais. "Quem foi que escreveu que precisava ser do outro jeito?", pergunta a cantora e compositora baiana, agora nos seus 41 anos. O disco mantém o espírito roqueiro que fez a artista ser uma das mais populares do Brasil desde o início dos anos 2000, mas se abre a uma exploração potente da sua terra natal e das possibilidades que músicos contemporâneos de Salvador e região abraçaram com fervor nos últimos anos.

O álbum traz parcerias com uma turma boa da Bahia: Lazzo Matumbi, Larissa Luz, BaianaSystem; uma música de Teago Oliveira, do Maglore, outro grande expoente do rock baiano, a faixa Motor, também gravada recentemente por Gal Costa, e uma de Peu Sousa, parceiro histórico de Pitty, morto em 2013; um sample de Dorival Caymmi; e pelo menos uma intersecção involuntária com Gilberto Gil.

É também o primeiro disco da cantora depois de duas novas experiências em sua vida. A primeira, de forte voltagem transformadora, a maternidade (Madalena tem hoje 3 anos). A segunda são as temporadas como uma das apresentadoras do Saia Justa, programa do GNT em que debate temas que vão da criação artística a assuntos políticos agudos, passando pela adaptação da linguagem ao mundo contemporâneo e atitudes em relacionamentos, tudo isso ao vivo. TV em alto nível.

Produzido pelo parceiro de longa data Rafael Ramos, Matriz não representa exatamente um "retorno" às suas origens, segundo Pitty. "Se fosse um retorno, eu voltaria para o mesmo lugar. Estou indo para um lugar diferente", disse a cantora numa entrevista realizada nesta quinta-feira (25), na zona sul de São Paulo.

E ela traz a sua própria bagagem. A faixa Roda, no centro do disco, uma parceria com o BaianaSystem, começa com a guitarra baiana inconfundível de Roberto Barreto para logo se transformar num rock n roll cheio de efeitos sobre guitarras, claro, mas também com a presença de um cavaquinho e um bandolim (ambos distorcidos). "Quando eu vi o Baiana surgindo, falei: apareceu alguém para sintetizar a onda de ser pesado, ter letras contundentes e juntar os ritmos. Bateu para mim também, porque é muito difícil incorporar cultural local com outras paradas sem ficar meio assim..." Aqui, ela conseguiu.


Influências

Pitty saiu do período de licença-maternidade, por volta de 2017, e ficou com vontade de voltar à estrada. Mas o disco novo ainda não existia: a solução foi inverter a ordem dos fatores e montar uma turnê, nova, reimaginada, com algumas canções inéditas e só depois trabalhar no álbum: o resultado é agora o quinto disco de estúdio de sua carreira solo, o primeiro em cinco anos, Matriz.

"Muito dessa história de incorporar beats nas músicas e ter referências da Bahia surgiu durante a turnê. Uma música, Sol Quadrado, estava na minha primeira demo, de 2002", comenta a cantora, numa entrevista ao jornal O Estado de s. Paulo. Ela não considera sua nova aproximação com a terra natal como um retorno simplesmente porque a Bahia a que ela chega agora é muito diferente daquela onde começou, no início dos anos 2000. "Era muito diferente. Havia uma monocultura. Embora a Bahia sempre tenha sido um lugar de diversidade, quando eu cresci na cena, isso não se apresentava no dia a dia do rolê", explica.

Agora ela volta com parcerias de muitos artistas conterrâneos que estão consolidando caminhos novos na sempre vibrante música que vem de lá.

O disco apresenta intersecções involuntárias também com a geração da Tropicália. Motor, a música de Teago Oliveira que Pitty regravou em Matriz, também foi incorporada por Gal Costa no seu show mais recente, A Pele do Futuro. Em Bahia Blues, Pitty canta os locais de Salvador que frequentou e diz: "Nunca é tarde demais / Pra voltar pro azul que só tem lá". A cor é diferente, mas os versos lembram a poesia de um Gilberto Gil voltando do exílio em Back in Bahia: "Mar da Bahia, cujo verde vez em quando me fazia bem relembrar".

"Resolvi contar uma história como os blueseiros fazem mesmo, relatando. Mas pensei muito em Gil e Caetano no processo. Inconscientemente, faz sentido essa conexão", diz a cantora.

Em Bicho Solto, Pitty canta: "Eu me domestiquei para fazer parte do jogo / Mas não se engane, maluco, continuo bicho solto". A música tem ainda um sample (um trecho cortado e reutilizado) de uma canção de Dorival Caymmi, Noite de Temporal. O sample foi popularizado em larga escala pelo hip-hop, mas Pitty lembra-se da primeira vez que utilizou a técnica. "Numa dessas ondas de composição, Rafael (Ramos, produtor dos discos da cantora) levou em casa a primeira demo que mandei para ele, antes do Admirável Chip Novo (2003). Tinha 18 músicas ali, eu não lembrava de muita coisa. Sol Quadrado, esse reggae do disco de agora, e também uma outra música que tinha um sample de Pink Floyd. Eu não lembro como foi (risos). Estava lá no meu quartinho em Salvador, pirando nessas coisas. Isso é o Matriz. É algo que já estava lá, mas que é contemporâneo, e estabelece esse diálogo."

A faixa seguinte, Noite Inteira, é um rock com elementos percussivos acentuados ligados a ritmos latinos, além de ter a participação de Lazzo Matumbi, referência para Pitty desde sua infância. "Ele sempre foi uma voz significante dos blocos afro e dessa parte da cultura baiana, e quando essa música surgiu, pensei nele imediatamente", explica. Mais à frente, Te Conecta traz a levada do rocksteady, ritmo jamaicano precursor do reggae.

Para O Grande Amor é a faixa de Peu Sousa, guitarrista parceiro da cantora, morto em 2013. "Quando vi que o álbum tomava essa direção da Bahia, quis botar uma canção dele", diz Pitty. Submersa é onde ela aborda a maternidade mais de perto. "No começo, foi difícil sair do casulo. Essa foi a primeira música que escrevi pensando que precisa voltar para a minha própria identidade. Agora estou mais de boa", garante. "Mas tudo muda, até o tempo." Com Matriz, Pitty faz um valioso acréscimo e dá uma bela lufada de diversidade no seu repertório.


Fonte: Agência Estado 

CURIOSIDADES DA MPB

Renato Russo revelou que nutria um amor platônico pelo companheiro de banda Dado Villa-Lobos, a quem traduzia como “um raro exemplo de beleza física aliada a sex appeal”. Seu relacionamento mais longo, porém, durou apenas seis meses e foi como um rapaz chamado Robert Scott Hickmon. Os dois se conheceram em Nova York, em novembro de 1989, e chegaram a morar juntos durante pouco tempo em 1990.

terça-feira, 3 de dezembro de 2019

LENDO A CANÇÃO

Por Leonardo Davino*




Babylon

Quando foi lançado em 2000, o disco Líricas, de Zeca Baleiro, foi, sem dúvida, um dos que mais girou no meu toca-disco. Bem feito e ancorado no universo do flâneur, o disco tem canções com letras recheadas de certa melancolia (algo da boemia romântica) que chega a doer: a dar vontade de dar pulos.
Os sujeitos compostos por Zeca Baleiro, ao investigarem suas interioridades, cantam pessoas, tempos e lugares perdidos: que ficaram para trás. Esses sujeitos até buscam o consolo, algum ganho, individual, no canto de suas perdas, mas é a saudade (aquele sentimento do tempo que não pára; do envelhecimento) quem atravessa todo o disco.
Com bons arranjos de corda, Zeca cria o estado "espiritual" perfeito para as mensagens das letras: tenciona algo (indizível) que está sempre perto de arrebentar, que mina sem a possibilidade de controle do sujeito.
A canção "Babylon", de Zeca, surge como um facho de luz entre as nuvens pesadas do desamparo e abandono de si. O sujeito parece querer recriar a utópica "Shangrilá", de Rita Lee e Roberto de Carvalho: "Se me der na telha sou capaz / De enlouquecer / E mandar tudo praquele lugar / E fugir com você pra Shangrilá".
Ou seja, as duas canções representam as tentativas de "fuga" empreendidas pelo indivíduo: cansado de ser caça e a fim de respirar sobre o miserê "muderno" e cotidiano. "Vamos fugir, pra outro lugar, baby" - pede o sujeito.
"Babylon" (com suas rimas engraçadas, eficientes e poliglotas) tematiza este lugar de grandes novidades: gozo e consumo. E para ir a Babylon, com o sujeito, não há ninguém melhor que Baby. Até porque a palavra "Baby" está em "Babylon": ela compõe o lugar/espaço do prazer almejado pelo sujeito da canção.
A canção-convite ("vem morar comigo") "Babylon" fala daquilo que o outro precisa saber que sabe. E o sujeito, so alone, mas desejando o contato (amoroso), canta porque, como pode ser lido em sua camisa (estampado no subtexto): I love you.


***

Babylon
(Zeca Baleiro)

Baby
I'm so alone
Vamos pra Babylon
Viver a pão-de-ló
E möet chandon
Vamos pra Babylon
Vamos pra Babylon

Gozar
Sem se preocupar com amanhã
Vamos pra Babylon
Baby! Baby! Babylon

Comprar o que houver
Au revoir ralé
Finesse s'il vous plait
Mon dieu je t'aime glamour
Manhattan by night
Passear de iate
Nos mares do pacífico sul

Baby
I'm alive like
A Rolling Stone
Vamos pra Babylon
Vida é um souvenir
Made in Hong Kong
Vamos pra Babylon
Vamos pra Babylon

Vem ser feliz
Ao lado deste bon vivant
Vamos pra Babylon
Baby! Baby! Babylon

De tudo provar
Champanhe, caviar
Scotch, escargot, rayban
Bye, bye miserê
Kaya now to me
O céu seja aqui
Minha religião é o prazer

Não tenho dinheiro
Pra pagar a minha yoga
Não tenho dinheiro
Pra bancar a minha droga
Eu não tenho renda
Pra descolar a merenda
Cansei de ser duro
Vou botar minh'alma à venda

Eu não tenho grana
Pra sair com o meu broto
Eu não compro roupa
Por isso que eu ando roto
Nada vem de graça
Nem o pão, nem a cachaça
Quero ser o caçador
Ando cansado de ser caça

Ai, morena! Viver é bom
Esquece as penas
Vem morar comigo
Em Babylon




* Pesquisador de canção, ensaísta, especialista e mestre em Literatura Brasileira pela Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ) e doutor em Literatura Comparada, Leonardo também é autor do livro "Canção: a musa híbrida de Caetano Veloso" e está presente nos livros "Caetano e a filosofia", assim como também na coletânea "Muitos: outras leituras de Caetano Veloso". Além desses atributos é titular dos blogs "Lendo a canção", "Mirar e Ver", "365 Canções".

COMO SURGIU O SAMBA?

Por Gabriela Portilho


O samba nasceu na Bahia, no século 19, da mistura de ritmos africanos. Mas foi no Rio de Janeiro que ele criou raízes e se desenvolveu, mesmo sendo perseguido. Durante a década de 1920, por exemplo, quem fosse pego dançando ou cantando samba corria um grande risco de ir batucar atrás das grades. Isso porque o samba era ligado à cultura negra, que era malvista na época. Só mais tarde é que ele passou a ser encarado como um símbolo nacional, principalmente no início dos anos 40, durante o governo de Getúlio Vargas. Nessa música brasileiríssima, a harmonia é feita pelos instrumentos de corda, como o cavaquinho e o violão. Já o ritmo é dado, por exemplo, pelo surdo ou pelo pandeiro. Com o passar do tempo, outros instrumentos, como flauta, piano e saxofone, também foram incorporados, dando origem a novos estilos de samba. “À medida que o samba evoluiu, ele ganhou novos sotaques, novos modos de ser tocado e cantado. É isso que faz dele um dos ritmos mais ricos do mundo”, afirma o músico Eduardo Gudin.




DA RODA AO PAGODE

Por volta dos anos 30, diferentes estilos de samba surgiram no Rio de Janeiro


SAMBA-DE-RODA

Muito parecido com a roda de capoeira, é a raiz do samba brasileiro e está registrado na Unesco como patrimônio da humanidade. Surgiu entre os escravos na Bahia por volta de 1860 e logo desembarcou também no Rio de Janeiro. O samba-de-roda, como a dança, começa devagar e se torna cada vez mais forte e cadenciado – sempre acompanhado por um coro para repetir o refrão. Várias canções do estilo têm versos sobre o mar e as tradições africanas.


“AVÔ” DO RECO-RECO

Além de batuques na palma das mãos, os escravos batiam um garfo num prato, obtendo um som semelhante ao do reco-reco – instrumento que dá força ao samba.


SAMBA DE BREQUE

Um dos primeiros estilos nascidos no Rio, foi criado no final dos anos 20 em botecos da cidade. No meio do samba rolavam “paradinhas” onde o cantor falava uma frase ou contava uma história. Um dos mestres foi Moreira da Silva. O ritmo é mais picadinho – ou “sincopado”, como dizem os músicos -, mas a marca registrada é mesmo a parada repentina. Daí o nome “samba de breque”. Quase sempre conta uma história engraçada, de um tiroteio entre malandros à história de um gago que se apaixonou…


FLAUTA

O samba de breque foi o primeiro estilo a incorporar a flauta como instrumento de samba. Ela ajuda a deixar o ritmo mais orquestrado.


PARTIDO-ALTO

Na década de 1930, o partido-alto se popularizou nos morros cariocas. Entre um refrão e outro, os músicos criavam versos na hora, quase como repentistas. As antigas festas de partido-alto chegavam a durar dias! A partir dos anos 70, Martinho da Vila virou um músico marcante do estilo. A principal característica é a improvisação. O partido-alto se mantém, principalmente, pelo jogo de palavras encaixadas no momento certo. O estilo trata de temas do cotidiano, e sempre com o maior bom humor.


SURDO

O surdo entrou de vez na roda com o partido-alto. Tocado com a mão ou com a baqueta, ele define a pulsação da música. É o “coração do samba”.

SAMBA-ENREDO

Na década de 1930, quando surgiram os primeiros desfiles de escolas de samba no Carnaval do Rio, nasceu o samba-enredo. No início, os músicos improvisavam dois sambas diferentes: um para a ida e outro para a volta na avenida onde as escolas desfilavam. Com o passar dos anos, o samba-enredo ganhou uma batida mais acelerada que outros sambas – o que ajuda as escolas a desfilarem no tempo previsto. A partir dos anos 80 a coisa mudou, mas, até então, samba-enredo só abordava a história oficial do Brasil.

CUÍCA

Com o som de uma “voz grunhindo”, foi uma das novidades das baterias das escolas. A função da cuíca é mais complementar, dando um tempero extra ao samba.


SAMBA-CANÇÃO

Outra cria dos botecos cariocas, o samba-canção apareceu na virada dos anos 30 para os 40. Logo ficou famoso como “samba de fossa”, perfeito para ouvir após um pé na bunda… Cartola e Noel Rosa fizeram grandes músicas do estilo. A batida mais lenta e cadenciada do samba-canção lembra bastante o bolero, outro ritmo musical que fazia sucesso nos anos 40. Em geral, as canções falam de desilusão amorosa – de amores não correspondidos às piores traições!


PANDEIRO

Desde a origem do samba o pandeiro estava presente, mas no samba-canção ele ganhou mais importância, marcando o ritmo da música no lugar do surdo.


BOSSA NOVA

Cansados da fossa do samba-canção, alguns compositores decidiram fazer músicas sobre temas mais leves no final dos anos 50. Nascia a bossa nova. Mestres como Tom Jobim e João Gilberto faziam um samba bem diferente, com grande influência do jazz. Com construções musicais mais “complexas”, a bossa nova tem o chamado “violão gago”, tocado num ritmo diferente do da voz e dos outros instrumentos. O assunto preferido eram as belezas da vida, da praia às mulheres, é claro!


VIOLÃO

O símbolo da bossa nova foi mesmo o violão -além do banquinho… Usado em quase todos os estilos de samba, é um dos responsáveis pela melodia e harmonia da música.


PAGODE

O pagode que hoje faz sucesso pintou como estilo de samba na década de 1980, no Rio, com cantores como Jorge Aragão e Zeca Pagodinho. Nos anos 90, em São Paulo, ficou mais “comercial” – com direito até a coreografia dos músicos – e explodiu nas rádios. O pagode dos anos 80 era muito influenciado pelo partido-alto. Já na década seguinte passou a ter uma pegada mais lenta e romântica. Nos anos 80, o principal era a vida na comunidade; nos 90, as letras românticas.


TECLADO

Nos hits mais modernos, entraram na dança instrumentos eletrônicos, como teclados e sintetizadores – para desgosto dos sambistas mais tradicionais…


COMPLETANDO A BATERIA

Conheça outros instrumentos importantes para um bom batuque


TANTÃ

Mais fino que o surdo, também marca o ritmo. Em geral, é tocado com a palma das mãos, sem que os dedos encostem na membrana.


TAMBORIM

Tocado com uma vareta de bambu, não marca necessariamente o ritmo do samba, mas traz um som agudo para o batuque.


CAVAQUINHO

Tem papel semelhante ao do tamborim: deixa o som mais agudo. Mas faz isso na melodia do samba, e não na batida rítmica.

segunda-feira, 2 de dezembro de 2019

PAUTA MUSICAL: RELEMBRANDO HELENINHA COSTA

Por Laura Macedo



Heleninha Costa (18/1/1924 - 12/4/2005) iniciou sua carreira artística, em 1938, na Rádio Clube de Santos. Pouco depois, transferiu-se para São Paulo, onde atuou nas rádios São Paulo, Record e Bandeirantes.

Em 1943, mudou-se para o Rio de Janeiro, onde atuou nas rádios, Clube do Brasil, Mayrink Veiga e Nacional. Trabalhou como "lady crooner" do Cassino da Urca, cantando também no Cassino Quitandinha. Neste ano, gravou o samba "Exaltação à Bahia" (Chianca de Garcia/Vicente Paiva) um dos grandes sucessos da sua carreira.

De 1940 a 1963 gravou, entre discos 78 rpm e LP, 56 discos pelos selos Columbia, Continental, Sinter, RCAVictor, Copacabana, Todamérica e Chantecler. Foi casada, por um tempo, com Ismael Neto, líder do conjunto Os Cariocas.


A partir do final dos anos 1970, retirou-se da cena artística argumentando que “é melhor deixar a carreira no auge”.

No começo da década de 1980 foi homenageada com um LP da série "Era do Rádio", do selo Collector's, quando mereceu texto escrito pelo crítico Ricardo Cravo Albin, que a considera uma das mais belas vozes de todos os tempos da radiofonia carioca. E eu assino embaixo.

Para ouvir Heleninha Costa, acesse o link: http://www.radinha.com.br/?d=heleninhacosta2



Fonte: Dicionário Cravo Albin da MPB.

A ORIGEM DO SAMBA, RITMO TIPICAMENTE BRASILEIRO

Considerado uma das principais manifestações culturais populares brasileiras, o samba é originário dos antigos batuques trazidos pelos africanos

Por Débora Silva


Considerado o gênero musical tipicamente brasileiro, o samba, surgido no Brasil, deriva de um tipo de dança, de raízes africanas. Possui origem afro-baiana, descendente do lundu utilizado nas festas dos terreiros entre umbigadas e pernadas de capoeira.

O samba é tocado com instrumentos de percussão (tambor, surdo, timbau, pandeiro, dentre outros) e acompanhados por violão e cavaquinho. O gênero musical sempre cresce e se reinventa: samba-canção, samba de breque, samba de roda, samba-enredo e samba rock são alguns de seus derivados.

Uma das características originais do samba inclui a dança acompanhada por pequenas frases melódicas e refrões de criação anônima, base do samba de roda nascido no Recôncavo Baiano. Em 2004, o samba de roda do recôncavo baiano foi registrado como Patrimônio Cultural do Brasil pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan); em 2005, foi proclamado Obra-Prima do Patrimônio Oral e Imaterial da Humanidade pela UNESCO.


Qual é a origem do samba?

A origem do samba registra uma grande e forte mistura de ritmos e tradições presentes no Brasil. Melhor do que nos perguntarmos “Qual é a origem do samba?”, seria fazermos o seguinte questionamento: “Quais são as origens do samba?”.

Os primeiros registros do samba de roda datam dos anos 1860. De acordo com historiadores da música popular, o samba de roda baiano é uma das fontes do samba carioca. O samba é originário dos antigos batuques trazidos pelos africanos e, aos poucos, os ritmos do batuque foram incorporando elementos de outros tipos de música, especialmente no cenário do Rio de Janeiro do século XIX.

Ao longo do século XX, o samba carioca veio a tornar-se um símbolo de brasilidade. A sua origem remete à migração de negros baianos para o Rio de Janeiro ao final do século XIX. As tias baianas, como tia Amélia, tia Perciliana e tia Ciata e seus filhos, Donga e João da Baiana, desempenharam papéis importantes na fase pioneira do samba do Rio de Janeiro.

O primeiro samba gravado em disco no Brasil foi “Pelo Telefone”, de Donga e Mauro de Almeida, em 1917. O ritmo foi chegando ao mercado fonográfico aos poucos, até se popularizar com o surgimento do rádio e ser abraçado pela classe média.

No início do século XX, importantes compositores como Ernesto Nazareth, Noel Rosa e Cartola legitimaram o samba na cultura oficial brasileira. O samba de roda baiano também continuou sendo uma das referências do samba do Brasil, presente nas obras de compositores como Caetano Veloso, Dorival Caymmi e João Gilberto.


Dia do Samba

Considerado uma das principais manifestações culturais populares brasileiras, o samba também tem um dia para ser celebrado. O Dia do Samba é comemorado nacionalmente em 2 de dezembro e foi criado em homenagem a Ary Barroso.

domingo, 1 de dezembro de 2019

SR. BRASIL

CALENDÁRIO MUSICAL - DEZEMBRO

Dia 01 - Nasce em Serraria (PB) o cantor e compositor Valdemar Farias, popularmente conhecido por Roberto Luna (1929).
O flautista Patápio Silva é contemplado com a medalha de ouro do Instituto Nacional de Música, prêmio até então nunca conferido a um negro (1901).
Nasce no Rio de Janeiro (RJ) o compositor Otto Henrique Trepte - o Casquinha da Portela, integrante da Velha Guarda da Portela, parceiro de Candeia, autor de vários sambas de sucesso como: "Recado", "Sinal Aberto", "Preta Aloirada" (1922).
Nasce em São Paulo (SP) a cantora Vasilíki Purchio, popularmente conhecida por Neusa Maria (1928).
Nasce em Duque de Caxias (RJ) o instrumentista João Bosco Cândido da Costa, o João Bosco, integrante do grupo Nosso Canto (1967).
Nasce em Ribeirão Preto (SP) a cantora e a compositora Bia Mestrinér (1956).
Nasce em Vitória de Santo Antão (PE) o compositor Nestor de Holanda Cavalcanti Neto , o Nestor de Holanda (1921).
Morre no Rio de Janeiro (RJ) o compositor Antônio de Pádua Vieira da Costa, o Luís Antônio (1996).
Nasce em Serra Talhada (PE) o cantor Gonzaga Leal.

Dia 02 - Dia Nacional do Samba.
Nasce em Belo Horizonte (MG) o instrumentista Miguel Nunes de Queiroz, o Miguel Queiroz, integrante do grupo Mambembe (1956).
Nasce em Belo Horizonte (MG) o cantor, instrumentista e compositor Antônio Maurício Horta de Melo, o Toninho Horta (1948).
Nasce no Rio de Janeiro (RJ) o cantor e compositor Oswaldo Nunes (1930).
Nasce no Rio de Janeiro (RJ) o letrista, jornalista e poeta Francisco de Paula Brito, o Paula Brito (1809).
Morre no Rio de Janeiro (RJ) o letrista José da Rocha Piedade, o J. Piedade (1978).
Nasce em Jaboticabal (SP) a cantora e atriz Conceição Joana da Fonseca Gomes, a Nhá Barbina (1915).
Morre em Caçapava (SP) o instrumentista, arranjador e compositor Adilio Silveira de Aquino, o Silveirinha (1999).
Nasce em Bom Jardim (PE) o instrumentista e compositor Levino Ferreira da Silva, o Levino Ferreira (1890).
Nasce no Rio de Janeiro (RJ) o ator, cantor e compositor Luís Claudio Ferreira da Costa, o Lucca Ferreira (1969).
Nasce no Rio de Janeiro (RJ) o instrumentista e compositor Otávio Coelho Fialho, o Tavinho Fialho (1960).
Nasce em Santo André (SP) o compositor, arranjador e multi-instrumentista Leonardo Rugero Peres, o Léo Rugero (1971).
Nasce em São Paulo (SP) o compositor, professor , arranjador e instrumentista Marcos Borelli (1965).
Morre em Marechal Deodoro (AL) o pianista e compositor Misael Domingues da Silva, o Misael Domingues (1932).
Nasce em Guaxupé (MG) a cantora Márcia Soraia Tauil Braga Zamarian, a Márcia Tauil (1968).
Morre no Recife (PE) o instrumentista, arranjador, compositor, produtor musical e professor de música Willians Costa Pereira, o Willians Pereira (2007).
Nasce no Rio de Janeiro (RJ) o arranjador e instrumentista Eloi Vicente Quartarone Teixeira, o Eloi Vicente (1948).
Nasce no Rio de Janeiro (RJ) o arranjador, escritor, compositor e instrumentista Henrique Leal Cazes, o Henrique Cazes (1959).
Nasce em Boêmia (República Tcheca) o empresário e responsável pelo início da história da música popular brasileira gravada Frederico Figner, o Fred Figner (1866).
Nasce no Rio de Janeiro (RJ) o cantor, compositor e ator Carlos Alberto Muniz de Oliveira e Silva, o Karlo Muniz (1947).

Dia 03 - Nasce em São Paulo (SP) o instrumentista e integrante do grupo Titãs Marcelo Fromer (1961).
Nasce no Rio de Janeiro (RJ) o músico e compositor Wagner de Aguiar Cardoso, o Wagner Aguiar (1963).
Nasce no Recife (PE) o compositor Luiz Alves Ferreira Filho, o Luiz Ferreira (1906).
Nasce no Rio de Janeiro (RJ) o regente, arranjador, compositor e trompetista Francisco Duarte, o maestro Chiquinho (1907).
Morre em São Paulo (SP) o cantor e compositor Luís Carlos Paraná (1970).
Nasce em Salvador (BA) o cantor, compositor, regente e instrumentista Antônio Carlos dos Santos Pereira, o Tom da Bahia (1947).
Nasce em Porto Alegre (RS) o compositor Otávio Dutra (1884).
Nasce no Rio de Janeiro (RJ) o cantor, compositor e ator Sérvulo Augusto Vieira Gonçalves, o Sérvulo Augusto (1955).
Nasce no Rio de Janeiro (RJ) o cantor David Trompowsky, o David de Castro (1937).
Nasce em Recife (PE) o compositor, letrista e regente Sofonias Galvão Dornelas Pessoa, o Sofonias Dornelas (1870).
Nasce no Rio de Janeiro (RJ) o baterista Cláudio Infante Vieira, o Cláudio Infante (1963).
Nasce no Rio de Janeiro (RJ) a cantora Araci Cortes Costa de Almeida, a Araci Costa (1932).
Nasce em Cruzeiro (SP) a cantora Maria Ignez Senne Costa, a Maricene Costa (1938).
Nasce no Rio de Janeiro (RJ) o arranjador, pianista e compositor Cristovão da Silva Bastos Filho, o Cristovão Bastos (1946).
Nasce no Rio de Janeiro (RJ) o jornalista e crítico musical Arthur Henrique Motta Dapieve, o Arthur Dapieve (1963).
Nasce em Itaúna (MG) o cantor, compositor e instrumentista José Roberto Corrêa Ribeiro, o Zebeto Corrêa (1960).
Morre no Rio de Janeiro (RJ) o instrumentista, arranjador e produtor José Santa Roza Torres Barbosa, o José Santa Roza (2009).

Dia 04 - Morre em Porto Alegre (RS) o músico, cantor e compositor gaúcho Vítor Mateus Teixeira, mais conhecido como Teixeirinha (1985).
Morre no Rio de Janeiro (RJ) o compositor Paulo Barbosa (1955).
Morre em Porto Alegre (RS) o cantor e compositor Leovegildo José de Freitas, mais conhecido por Gildo de Freitas (1982).
Nasce em Porto Alegre (RS) o cantor, compositor e violonista Jorge Moacir da Silva, o Bedeu (1946).
Nasce em São Paulo (SP) a cantora, compositora e instrumentista Mayra Corrêa Aygadoux, popularmente conhecida por Maria Gadú (1986).
Nasce em Niterói (RJ) o instrumentista Júlio César Silva Erthal, o Júlio Erthal (1976).
Nasce em Caxambú (MG) a cantora e compositora Maria Aparecida Martins, a Aparecida (1939).
Nasce no Rio de Janeiro (RJ) o músico, compositor e cantor Claudio Alves Latini, o Claudio Latini (1955).
Nasce em Petropólis (RJ) o cantor, compositor e guitarrista Francisco de Mazza Pessanha, o Chico Mazza (1974).
Morre no Rio de Janeiro (RJ) o oboísta e regente Alberto Lazzoli (1987). 

Dia 05 - Nasce no Rio de Janeiro (RJ) a cantora, pianista e compositora Ângela Maria Diniz Gonçalves, mais conhecida como Ângela Rô Rô (1949).
Nasce no Espírito Santo do Pinhal (SP) o cantor Otávio Henrique de Oliveira - o Blecaute (1919).
Nasce no Carmo (RJ) o compositor, músico, cantor e arranjador Egberto Gismonti Amin, considerado um virtuoso da música instrumental popular, destacando-se pela sua capacidade de experimentação (1947).
Morre em São Paulo (SP) o cantor, ator e compositor Jaime Fomm Garcia Redondo, o Jaime Redondo (1952).
Nasce em Colatina (ES) o instrumentista e compositor Carlos Câncio Poyares, o Carlos Poyares (1928).
Morre em São Paulo (SP) o compositor e maestro Afonso Martinez Grau, o Martinez Grau (1963).
Nasce em Monte Alto (SP) o cantor e compositor Antônio Campanha, o Campanha da dupla Campanha e Cuiabano (1925).
Morre em São Paulo (SP) a cantora Helena Pinto de Carvalho, a Helena de Carvalho (1937).
Nasce em Niterói (RJ) o cantor Orlando José Correia, o Orlando Correia (1928).
Nasce no Rio de Janeiro (RJ) o instrumentista e luthier Eduardo Thiago Brito, o Eduardo Brito (1964).
Nasce em São Paulo (SP) o instrumentista e arranjador Gilberto Gagliardi (1922).
Nasce em Petrópolis (RJ) o cantor e compositor Silvio Lima, o Silvinho (1931).
Nasce em Montes Claros (MG) a pesquisadora e professora de musicologia Martha Tupinamba de Ulhôa, a Martha Ulhôa (1953).
Nasce em Monte do Carmo (TO) o produtor, cantor e compositor Geraldo Antonio de Carvalho, o Rick (1966).
Nasce no Rio de Janeiro (RJ) o instrumentista Otávio Meirelles de Magalhães Castro, o Otávio Castro (1980).
Nasce no Rio de Janeiro (RJ) a cantora Cleide Alves da Silva, a Cleide Alves (1946).
Nasce em São Paulo (SP) o instrumentista e arranjador Henrique Band Ferreira, o Henrique Band (1972).
Nasce em Massy Palaiseau (França) o saxofonista Idriss Boudrioua (1958).
Nasce em Sorocaba (SP) o cantor Sólon Hanser Sales, o Sólon Sales (1923).
Nasce em Santo Amaro da Purificação (BA) o cantor Manuel Pedro dos Santos, o Baiano (1870).
Nasce na França o cantor, compositor, arranjador e instrumentista Alain Pierre Ribeiro de Magalhães, o Alain Pierre (1954).
Nasce no Rio de Janeiro (RJ) o cantor, compositor e instrumentista Sérgio Procópio da Silva, o Serginho Procópio (1967).
Nasce em São Carlos (SP) o compositor, arranjador e instrumentista Sérgio Paulo de Andrade Pereira, o Sérgio Pereira (1974).

Dia 06 - Nasce no Rio de Janeiro (RJ) o cantor Jorge de Oliveira Veiga, o Jorge Veiga (1910).
Morre em São Luís (MA), de acidente vascular cerebral, aos 63 anos, o compositor João Batista do Vale - João do Vale (1996).
Nasce em Avaí (SP) o instrumentista Omar Izaq (1933).
Nasce no Rio de Janeiro (RJ) o cantor Emílio Vitalino Santiago, o Emílio Santiago (1946).
Nasce em Santo Antônio de Jesus (BA) o folclorista e musicólogo Renato Almeida (1895).
Nasce em Varginha (MG) a pesquisadora e folclorista Oneyda Paolielo de Alvarenga, a Oneyda Alvarenga (1911).
Morre no Rio de Janeiro (RJ) a cantora, compositora e pesquisadora Glorinha Caldas (1937).
Nasce em São Paulo (SP) o instrumentista Rodolfo Cardoso de Oliveira, o Rodolfo Cardoso (1955).
Nasce em São Bernardo do Campo (SP) a cantora Ana Paula Ribeiro Lopes, a Ana Paula Lopes (1979).
Nasce em São Paulo (SP) o cartunista, cantor e compositor Francisco Paulo Hespanha Caruso, o Chico Caruso (1949).


Dia 07 - Clementina de Jesus, a "Mãe Quelé", aos 63 anos pisa o palco pela primeira vez como cantora profissional, no Teatro Jovem, primeiro show da série de espetáculos "Menestrel" sob a direção de Hermínio Bello de Carvalho (1964).
Nasce em Cachoeira (BA) o compositor e instrumentista José de Souza Aragão, o Cazuzinha (1819).
Nasce no Rio de Janeiro (RJ) o cantor, teatrólogo, compositor e jornalista Rubem dos Santos, o Rubem Confete (1936).
Nasce no Rio de Janeiro (RJ) o cantor, instrumentista e compositor Rodrigo Maranhão (1979).
Nasce no Rio de Janeiro (RJ) o instrumentista e compositor Heitor Avena de Castro (1919).
Nasce em Belém (PA) o cantor, compositor, arranjador e instrumentista Ismael de Araújo Silva Netto, o Ismael Netto (1925).
Nasce no Rio de Janeiro (RJ) o produtor musical, instrumentista e arranjador Haroldo Goldfarb (1956).
Nasce no Rio de Janeiro (RJ) a cantora Rosemeire Pereira Gonçalves, a Rosemary (1945).
Nasce no Rio de Janeiro (RJ) o regente, arranjador e compositor Rogério Duprat (1932).
Nasce em Criciúma (SC) o cantor e compositor Marlon Fabrício de Oliveira, o Marlon da dupla Marlon e Maicon (1977).
Nasce no Rio de Janeiro (RJ) o compositor, produtor, arranjador e instrumentista Francisco Saraiva da Silva, o Chico Saraiva (1973).
Morre em Belém (PA) o compositor, regente e instrumentista Manoel Luís de Paiva, o Maneco Paiva (1920).
Nasce no Rio de Janeiro (RJ) o compositor Carlos Artur da Rocha, o Carlinhos Sideral (1931).
Nasce em Teófilo Otoni (MG) o cantor e compositor Sérgio Moreira (1954).
Nasce em C. P. Paulista (SP) o cantor, compositor e instrumentista Antonio Celso de Carvalho Galvão, o Celso Galvão (1958).
Nasce em Cachoeira (BA) o compositor e instrumentista José de Souza Aragão (1819).
Nasce no Rio de Janeiro (RJ) o cantor, compositor e artista plástico Heitor dos Prazeres, o Heitorzinho dos prazeres (1942).
Nasce em Salvador (BA) a cantora e instrumentista Márcia Guimarães Caminha de Castro, a Márcia Castro (1978).
Nasce no Rio de Janeiro (RJ) o DJ, escritor, jornalista e professor Luiz Fernando do Carmo de Azevedo, o Dj Dodô (1971).

Dia 08 - Nasce no Rio de Janeiro (RJ) a cantora Alaíde Costa Silveira - Alaíde Costa (1933).
Nasce no Rio de Janeiro (RJ) a cantora Lenita Bruno (1926).
Nasce no Rio de Janeiro (RJ) o trompetista, compositor e regente Paulino Sacramento (1880).
Morre no no Rio de Janeiro (RJ) o compositor, produtor musical, escritor e professor Dalton Vogeler Gomes, o Dalton Vogeler (2008).
Nasce em Olinda (PE) o violonista e compositor Joaquim Francisco dos Santos, o Quincas Laranjeiras (1873).
Nasce em Botelhos (MG) o cantor, compositor e humorista João Ferreira de Melo, o Barnabé (1932).
Nasce em Currais Novos (RN) a cantora e compositora Maria de Fátima Melo do Nascimento, a Fátima Mello (1954).
Nasce em São Paulo (SP) o compositor, arranjador e instrumentista Francisco Pinheiro Christino Netto, o Chico Pinheiro (1974).
Nasce no Rio de Janeiro (RJ) o compositor, teatrólogo e jornalista João de Wilton (ou da Silva) Morgado, o João da gente (1882).
Nasce no Rio de Janeiro (RJ) a cantora Marilza da Conceição Aparecida, a Mariúza (1943).
Nasce no Rio de Janeiro (RJ) a cantora e compositor Luiza Conceição Dionizio, a Luiza Dionizio (1963).
Morre no Rio de Janeiro (RJ) o pianista, violinista, compositor e professor Augusto Teixeira Vasseur, o Augusto Vasseur (1969).
Morre em Nova York (EUA) o compositor, arranjador e instrumentista Antônio Carlos Brasileiro de Almeida Jobim, o Tom Jobim (1994).

Dia 09 - Nasce em Rodeiros (MG) o cantor e compositor José Geraldo Juste, popularmente conhecido por Zé Geraldo (1944).
Morre em São Paulo (SP) a cantora Alzirinha Camargo (1982).
Morre no Recife (PE) o compositor, instrumentista, pianista e regente Nelson Heráclico Alves Ferreira, o Nelson Ferreira (1976).
Nasce em São João da Boa Vista (SP) o cantor Aldimir Torres Ribeiro, popularmente conhecido por Almir Ribeiro (1958).
Nasce no Rio de Janeiro (RJ) o compositor Francisco da Silva Fárrea Júnior, o Paquito (1915).
Nasce no Rio de Janeiro (RJ) o compositor e instrumentista José Ribamar Pereira da Silva, o Ribamar (1919).
Nasce em Salvador (BA) o cantor e compositor Ciro Mendes de Aguiar, o Ciro Aguiar (1942).
Nasce em São Paulo (SP) o regente, arranjador, pianista, vibrafonista, compositor, disc-jóquei, ator, cantor Erlon Chaves (1933).

Dia 10 - Nasce no Rio de janeiro (RJ) a cantora, violonista e compositora Cássia Rejane Eller, popularmente conhecida por Cássia Eller (1962).
Nasce no Carmo (RJ) o arranjador, instrumentista, produtor musical, compositor Egberto Amin Gismonti, o Egberto Gismonti (1947).
Morre em Fortaleza (CE) o cantor e compositor Ermenegildo Evangelista de Souza, o Catulo de Paula (1984).
Nasce em Xapuri (AC) a cantora, compositora e atriz Maria de Nazaré Pereira, a Nazaré Pereira (1940).
Nasce em São Paulo (SP) a cantora Alzira Camargo (1915).
Nasce no Rio de Janeiro (RJ) o compositor Álvaro Luis Waehneldt Socci, o Álvaro Socci (1969).
Nasce em Londres (Inglaterra) a pianista Patricia de Almeida Ferreira Lopes, a Patricia Lopes (1967).
Nasce em São Paulo (SP) a cavaquinista, compositor e cantor Mário Sérgio Brochado, o Mário Sérgio (1958).
Morre no Rio de Janeiro (RJ) o letrista e jornalista David Nasser (1980).
Morre no Rio de Janeiro (RJ) o compositor Antônio Almeida (1985).
Nasce o cantor e instrumentista Edmilson Alvino, o Edmilson, integrante do grupo Travessos (1973).
Nasce no Rio de Janeiro (RJ) o compositor Gustavo Thomás Filho, o Brasinha (1925).

Dia 11 - Nasce o sambista, cantor, compositor, bandolinista, violonista brasileiro e um dos maiores e mais importantes artistas da música no Brasil Noel de Medeiros Rosa, popularmente conhecido por Noel Rosa (1910).
Morre no Rio de Janeiro (RJ) o músico, compositor e caricaturista Antônio Gabriel Nássara, o Nássara (1996).
Morre no Rio de Janeiro (RJ) o violonista e compositor Henrique Brito (1935).
Nasce em Ilhéus (BA) o cantor e compositor José Bezerra (1929).
Nasce em São Paulo (SP) o compositor Augusto César Nastari Brunetti, o César Brunetti (1948).
Nasce no Rio de Janeiro (RJ) o pianista, arranjador, cantor e compositor Flávio Pantoja Leite, o Flávio Pantoja (1952).
Nasce no Rio de Janeiro (RJ) o instrumentista e compositor Eduardo del Águila Caribé, o Dudu Caribé (1970).
Nasce em Campo do Meio (MG) o cantor e compositor Luiz de Castro (1936).
Nasce no Rio de Janeiro (RJ) a instrumentista e compositora Carlota Marques (1957).
Nasce no Rio de Janeiro (RJ) o ator e cantor Mário Gomes (1952).
Nasce no Rio de Janeiro (RJ) o baterista Ivan Miguel Conti Maranhão, o Mamão (1946).
Nasce o instrumentista e compositor José Roberto Bertrami.
Nasce em Niterói (RJ) o instrumentista e compositor José Alexandre Malheiros Filho, o Alex Malheiros (1946).
Nasce em Belo Horizonte (MG) o arranjador, instrumentista e compositor Marcelo de Miranda Brandão, o Marcelo Paganini (1964).

Dia 12 - Nasce em Três Pontas (MG) o arranjador, compositor, instrumentista, maestro e diretor musical Wagner Tiso Veiga, o Wagner Tiso (1945).
Nasce no Rio de Janeiro (RJ), o cantor e compositor Wilson Moreira Serra - o Wilson Moreira, autor entre outros tantos sucessos de: "Gostoso Veneno", "Okolofé", "Candongueiro", "Coisa da Antiga" (1936).
Nasce em Leopoldina (MG), o cantor e compositor Osvaldo Alves Pereira - Noca da Portela, autor de inúmeros sucessos como: "Portela na Avenida", "É preciso muito amor", "Vendaval da vida", "Virada", "Mil Réis" (1932).
Morre no Rio de Janeiro (RJ) o instrumentista e compositor Marcio Montarroyos (2007).
Nasce em São Paulo (SP) a cantora e compositora Maria Cristina Ozzetti, a Ná Ozzetti (1958).
Morre no Rio de Janeiro (RJ) o compositor Milton de Oliveira (1986).
Morre no Rio de Janeiro (RJ) o compositor e trombonista Cândido Pereira da Silva, o Candinho Trombone (1960).
Morre no Rio de Janeiro (RJ) o compositor Amado Régis (1976).
Morre no Rio de Janeiro (RJ) o compositor e instrumentista João Pereira Filho, o Pereira Filho (1986).
Nasce no no Rio de Janeiro (RJ) o radialista, jornalista e compositor Santos Garcia Dias, o Santos Garcia (1914).
Nasce em Paraíba do Sul (RJ) o cantor e compositor Rui Maurity de Paula Afonso, o Ruy Maurity (1949).
Nasce o instrumentista Gabriel Marcondes, integrante do grupo Offline (1988).

Dia 13 - Nasce em Exu (PE), o cantor, compositor e acordeonista Luiz Gonzaga do Nascimento, o Luiz Gonzaga (1912).
Morre em São Luis (MA) o jornalista e compositor João Batista Lopes Bogea, mais conhecido por Lopes Bogea (2004).
Nasce em Guarani (PE) o produtor musical José Silas Xavier (1939).
Nasce em Ipojuca (PE) o cantor, compositor e instrumentista Fernando Manoel Correia, o Nando Cordel (1953).
Nasce em Montes Claros (MG) o violeiro, cantor e compositor José Dias Nunes, o Tião Carreiro (1934).
Nasce em Jaguarão (RS) o instrumentista, gaitista e compositor Eduardo Nadruz, o Edu da Gaita (1916).
Nasce em Belo Horizonte (MG) o cantor, compositor e multi-instrumentista Edson Vander da Costa Batista, o Eduardo Costa (1979).
Nasce em São Paulo (SP) o compositor e cantor Manuel Mindlin Lafer, o Manu Lafer (1971).
Nasce no Rio de Janeiro (RJ) o cantor e compositor José Luis Pinto Júnior, o Luis Sacopã (1941).
Nasce em Paratini (SP) o cantor, radialista, folclorista e contista Luís Carlos Barbosa Lessa, o Barbosa Lessa (1929).
Nasce em Nova Iguaçu o cantor e compositor Roberto de Barros Lara, o Roberto Lara (1957).
Nasce em João Pessoa (PB) a escritora, cantora, instrumentista e compositora Catarina Maria de França Carneiro (1947).
Morre no Rio de Janeiro (RJ) o crítico, musicólogo e jornalista Lúcio do Nascimento Rangel, o Lúcio Rangel (1979).
Nasce em São Paulo (SP) o instrumentista Clayson Rangel Batista, integrante do grupo Pixote (1978).

Dia 14 - Morre em João Pessoa (PB) o multi-istrumentista, arranjador e compositor Severino Dias de Oliveira, o Sivuca (2006).
Nasce no Rio de Janeiro (RJ) o compositor, pianista, violoncelista e professor Homero Dornelas (1901).
Morre no Recife (PE) o compositor, instrumentista, trombonista, clarinetista e flautista Félix Lins de Albuquerque, o Felinho (1980).
Morre no Rio de Janeiro (RJ) a cantora Neide Hor-Meyll Fraga, a Neide Fraga (1987).
Nasce em Valença (RJ) o compositor, pianista, regente, professor Agnelo Gonçalves Viana França, o Agnelo França (1875).
Morre em Altos (PI) o compositor, cantor, violonista, poeta e militar Anfrísio Rosendo Máximo, o Zil Rosendo (1966).
Nasce em Ibuguaçu (CE) a crítica musical, jornalista e produtora e diretora de shows Diana Aragão Martins (1948).
Nasce no Rio de Janeiro (RJ) o ator e cantor Márcio da Costa Batista, o Mumuzinho (1983).

Dia 15 - Morre no Rio de Janeiro (RJ) o compositor Francisco de Paula Brito, popularmente por Paula Brito (1861).
Morre em São Paulo (SP) o compositor, regente e professor Elias Álvares Lobo (1901).

Nasce no Recife (PE) o violonista e compositor Osias Canuto Lopes Alves, o Osias Canuto (1963).
Nasce no Rio de Janeiro (RJ) a cantora e compositora Adalgisa Maria Nogueira Machado, a Gisa Nogueira (1938). 
Nasce em Belo Horizonte (MG) o compositor, cantor, congadeiro, pesquisador, violonista e ator Maurício Tizumba (1957). 
Nasce em Belo Horizonte (MG) o compositor, instrumentista e arranjador Aécio Flávio do Rêgo, o Aécio Flávio (1940). 
Nasce o guitarrista Gustavo Costa Bezerra, o Guto Guitar, integrante da Bamda Mel (1969). 

Dia 16 - Nasce em Salvador (BA) o compositor e regente Miguel dos Anjos de Sant'Ana Torre, popularmente conhecido por Miguel Torres (1937).
Nasce no Rio de Janeiro (RJ) o compositor Valdemar de Abreu, o Dunga (1907).
Nasce no Rio de Janeiro (RJ) o compositor Marcus Vinícius Lessa, o Marquinhos Lessa (1957).
Morre em Itapetininga (SP) o compositor Teddy Vieira de Azevedo, o Teddy Vieira (1965).
Nasce em Cambé (PR) o compositor e instrumentista Vitor Hugo Gorni, o Vitor Gorni (1955).
Nasce em São Paulo (SP) a compositora, letrista, cantora, escritora, atriz e artista plástica Isabel Borazanian (1956).
Nasceu em Aracaju (SE) o compositor, poeta, ator, produtor, locutor e escritor Emmanuel Gama de Sousa Almeida, o Manuca Almeida (1963).
Nasce no Rio de Janeiro (RJ) o multiinstrumentista Tiago Magalhães de Albuquerque, o Tiago Magalhães (1970).
Nasce no Rio de Janeiro (RJ) o instrumentista, compositor, concertista e arranjador Artur de Freitas Gouvêa, o Artur Gouvêa (1977).

Dia 17 - Nasce em Natal (RN) o cantor e compositor Gilliard Cordeiro Marinho, popularmente conhecido por Gilliard (1956).
Nasce em São Paulo (SP) a cantora Neide Hor-Meyll Fraga, a Neide Fraga (1924).
Nasce no Rio de Janeiro (RJ) o instrumentista e compositor José Luis Segneri Oliveira, o Zé José Luis Oliveira (1957).
Morre em Maricá (RJ) a cantora Sylvia Telles (1966).
Nasce em São Paulo (SP) o violonista Antonio Carlos Barbosa Lima, o Carlos Barbosa-Lima (1944).
Nasce no Rio de Janeiro (RJ) o percussionista Armando de Souza Marçal, o Marçalzinho (1956).
Nasce em Visconde do Rio Branco (MG) o instrumentista e compositor Célio Balona Passos, o Célio Balona (1938).
Nasce em Santos (SP) o compositor, arranjador e produtor musical, professor e pesquisador Alexandre Birkett Silvino (1963).
Nasce o cantor e compositor Marcio André de Lima Ribeiro, o Márcio Local (1976).
Nasce em Vitória (ES) o cantor e compositor Carlos Alberto Albuquerque de Oliveira, o Alberto Gino (1941).
Morre em Belo Horizonte (MG) o instrumentista, cantor e compositor Cláudio Faria (2017).

Dia 18 - Morre no Rio de janeiro (RJ) o compositor Francisco Manuel da Silva, autor da melodia do Hino Nacional Brasileiro (1865).
Nasce no Rio de Janeiro (RJ) o cantor, compositor e instrumentista Osmar Leite, o Osmar do breque (1954).
Nasce no Rio de Janeiro (RJ) o compositor Edison Ferreira, o Efson (1944).
Nasce no Rio de Janeiro (RJ) o instrumentista Sergio Krakowski Costa Rego, o Sergio Krakowski (1979).
Nasce em Niterói (RJ) o baterista Márcio Villa Bahia, o Márcio Bahia (1958).
Morre no Rio de janeiro (RJ) o compositor Silvestre Davi da Silva, o Cabana (1986).
Nasce em Taubaté (SP) o instrumentista e compositor José Idelmiro Cupido, o Zé Cupido (1936).
Nasce em São Paulo (SP) o cantor e compositor Ronaldo Lupovici, o Ronaldo Lupo (1913).
Morre no Rio de Janeiro (RJ) o instrumentista e compositor Francisco de Queirós Mattoso, o Francisco Mattoso (1941).
Nasce em Cajazeiras (PB) o poeta, escritor , folclorista, cantor e compositor Alfredo Ricardo do Nascimento, o Zé do Norte (1908).

Dia 19 - Nasce o compositor baiano Luis Carlos Capinam (1941).
Nasce no bairro de São Cristóvão (RJ), o compositor e violonista Manuel da Conceição Chantre - Mão de vaca (1930).
Morre no Rio de Janeiro (RJ) o instrumentista, compositor e arranjador Robson Jorge (1993).
Morre em Teresópolis (RJ) a cantora e atriz Selma Reis (2015).
Nasce em Cuiabá (MT) o poeta Manoel Venceslau Leite de Barros, o Manoel de Barros (1916).
Nasce em Governador Valadares (MG) o cantor e compositor Adiel Marzano, da dupla Adiel Marzano e Gelson Reis (1959).
Nasce em Tiradentes (MG) o compositor e instrumentista Fausto Assunção (1892).
Nasce em Natal (RN) a cantora Roberta Varella Sá, a Roberta Sá (1980).
Nasce no Rio de Janeiro (RJ) a cantora e compositora Sonia Maria Melo Lemos, a Sonia Lemos (1943).
Nasce em Niterói (RJ) a cantora Rita de Cassia Peixoto, a Ryta de Cássia (1954).
Nasce no Rio de Janeiro (RJ) o instrumentista, compositor, arranjador e produtor João Alfredo de Castilho Neto, o João Castilho (1970).
Morre no Recife (PE)o compositor Edgar Monteiro Ferreira, o Edgar Ferreira (1995).
Nasce em Bebedouro (SP) a cantora Luiza Trevisan, popularmente conhecida por Cinderela (1930).
Nasce em Taubaté (SP) o maestro, instrumentista, trombonista, orquestrador e líder de orquestra Ivan Paulo da Silva, o Maestro Carioca (1910).
Nasce em Minas Gerais o cantor e compositor Gelson Antonio dos Reis, o Gelson Reis (1963).
Nasce no Rio de Janeiro (RJ) o violonista e compositor Manuel da Conceição Chantre, o Manuel da Conceição (1930).
Morre no Recife (PE) o cantor e compositor Sebastião Odilon Lopes de Albuquerque, o Sebastião Lopes (1974).

Dia 20 - Morre no Rio de Janeiro (RJ) o cantor Reinold Correia de Oliveira, mais conhecido como Nuno Roland (1975).
Nasce no Rio de Janeiro (RJ) o compositor, letrista, cantor e produtor Antonio Pinto Ferreira, o Toninho Lemos (1947).

Morre no Rio de Janeiro (RJ) a atriz e cantora Abgail Maia (1981).
Nasce em Salvador (BA) o escritor, pesquisador de MPB, jornalista, historiador, crítico e radialista Ricardo Cravo Albin (1940)
Nasce no Rio de Janeiro (RJ) o instrumentista, arranjador e compositor Roberto Gnattali (1948).
Nasce em Macaparana (PE) o compositor, ator e radialista Rosil de Assis Cavalcanti, o Rosil Cavalcanti (1915).
Nasce no Rio de Janeiro (RJ) o compositor e ator Dorival Silva, mais conhecido por Chocolate (1923).
Nasce no Rio de Janeiro (RJ) o instrumentista, arranjador, compositor e produtor musical Guilherme Silva Brício, o Guilherme Brício (1955).
Nasce no Rio de Janeiro (RJ) o compositor Ari Monteiro (1905).

Dia 21 - Nasce em Mataripe Candeias (BA) o compositor Geraldo Pita Santos, o Geraldo Pita (1952).
Morre no Recife (PE) o regente, compositor, instrumentista Nelson Heráclico Alves Ferreira, o Nelson Ferreira (1976).

Nasce no Rio de Janeiro (RJ) o cantor e compositor Oswaldo dos Santos, o Alvaiade (1913).
Nasce o compositor,cantor e violonista Rodrigo Londero (1976).
Nasce no Rio de Janeiro (RJ) o cantor, violonista e compositor Sílvio da Silva Júnior (1947).
Nasce em Vitória da Conquista (BA) o compositor, instrumentista e cantor Elomar Figueira Melo, o Elomar (1937).
Morre em Porto Alegre (RS) o cantor, compositor e instrumentista Flávio Basso, o Júpiter Maçã (2015).
Nasce em Santo Antônio de Pádua (RJ) o instrumentista e compositor Altamiro Aquino Carrilho, o Altamiro Carrilho (1924).
Morre no Rio de Janeiro (RJ) o cantor, compositor, jongueiro e percussionista Darcy Monteiro, o Darcy do Jongo (2001).
Nasce em Marechal Deodoro (AL) o engenheiro, pianista e compositor Misael Domingues da Silva, o Misael Domingues (1857).
Nasce em Rondonópolis (MT) o cantor e instrumentista Airo Garcia Barcellos, integrante da dupla Airo e Ruan (1976).
Nasce no Rio de Janeiro (RJ) a trompetista e cantora Renata Ribeiro Rocha, a Renata Pedroh (1976).
Nasce no Rio de Janeiro (RJ) o músico, compositor, cordelista, cantor e capoeirista Victor Alvim Itahim Garcia, o Lobisomem Capoeira (1973).
Nasce em Uberlândia (MG) o cantor, compositor e instrumentista Lucas Cássio dos Reis Rosa, o Lucas Reis da dupla Lucas Reis e Thácio Cândido (1992).
Nasce no Rio de Janeiro (RJ) a musicista, intérprete e compositora Claudia Maria Monteiro Conde, a Maria Claudia (1971).

Dia 22 - Morre o cantor, compositor e radialista brasileiro Henrique Foréis Domingues, popularmente conhecido por Almirante. Seu codinome na Era de Ouro do Rádio era: "a mais alta patente do Rádio" (1980).
Morre no Rio de Janeiro (RJ) a cantora Aurora Miranda da Cunha, a Aurora Miranda (2005).
Morre em Los Angeles (EUA) o Multiinstrumentista José do Patrocínio Oliveira, o Zé Carioca (1987).
Nasce em Porto Alegre (RS) o cantor e compositor Luiz Marenco (1964).
Nasce no Rio de Janeiro (RJ) o pianista e compositor José Ferreira Torres, o J. Ferreira Torres (1874).
Morre em Juiz de Fora (MG) o compositor, instrumentista e cantor Armando Toschi, também conhecido por Ministrinho (1996).
Morre no Rio de Janeiro (RJ) o compositor, jornalista, radialista e pesquisador de MPB Fernando de Castro Lobo, o Fernando Lobo (1996).
Nasce em São Luis Gonzaga (RS) o instrumentista e cantor Xirú Missioneiro (1965).
Morre no Rio de Janeiro (RJ) o regente, arranjador, instrumentista e compositor Orlando Silveira de Oliveira Silva, o Orlando Silveira (1993).
Nasceu em Natal (RN) a compositora e professora de piano Cândida Maria de Araújo Bezerra, a Candinha Bezerra (1943).
Morre no Rio de Janeiro (RJ) o compositor Klécius Pennafort Caldas, o Klécius Caldas (2002).
Nasce no Rio de Janeiro (RJ) o instrumentista Don Edward (1916).
Nasce no Rio de Janeiro (RJ) o instrumentista Edgard Cavalcanti, o Barriquinha (1916).
Morre no Rio de Janeiro (RJ) o maestro, arranjador e pianista Edson Frederico (2011).
Nasce no Rio de Janeiro (RJ) o instrumentista e compositor João Braga Ferreira de Mendonça, o João Braga (1962).

Dia 23 - Nasce em Itapetininga (SP) o compositor Teddy Vieira de Azevedo, o Teddy Vieira (1922).
Nasce em Goiana (PE) o arranjador, instrumentista e regente José Ursicino da Silva, popularmente conhecido como Maestro Duda (1935).
Morre no Rio de Janeiro (RJ) o cantor, pandeirista, ator, cineasta, empresário, jornalista, e publicitário Oswaldo de Moraes Eboli, popularmente conhecido por Vadeco (2002).
Nasce no Rio de Janeiro (RJ) o cantor e compositor Paulo Bob (1930).
Nasce em São Paulo (SP) a cantora e compositora Maria Christina Buarque de Holanda, a Cristina Buarque (1950).
Nasce em Cajurú (SP) o maestro, compositor e instrumentista Aloysio Figueiredo Cerqueira, também conhecido por Aloysio Figueiredo (1919).
Nasce em Umuarama (PR) o cantor Aparecido José Vieira, o Rodiney da dupla Rodiney e Rodivan (1970).
Nasce em Paquetá (RJ) o compositor, jornalista e empresário René Bittencourt Costa, o René Bittencourt (1910).
Morre em São Paulo (SP) o jornalista, radialista, crítico musical, pesquisador e produtor de eventos Antonio Helcio Spessoto, o Toninho Spessoto (2010).
Nasce no Rio de Janeiro (RJ) o violonista João Paulo Baptista Rabello de Faria, o João Rabello (1981).
Morre em São Paulo (SP) o maestro, arranjador e compositor José Batista da Silva Junior, o maestro Zezinho (2010).
Nasce em Goianésia (GO) o cantor e compositor Israel Antônio Ribeiro, o Israel da dupla Israel e Rodolffo (1988).
Nasce em São Paulo (SP) o percussionista Cyro Baptista (1950).
Nasce o instrumentista Gustavo Silva Simões, o Gus do grupo Bois de Gerião (1974).

Dia 24 - Nasce no Rio de Janeiro (RJ) a cantora Olivia Maria Lustosa Byington, a Olivia Byington (1958).
Nasce em Augusto Severo (RN) o cantor e compositor Claudionor Batista de Oliveira, o Dozinho (1927).
Morre no Rio de Janeiro (RJ) a cantora e compositora Dora Freitas Lopes, a Dora Lopes (1983).
Nasce no Rio de Janeiro (RJ) o instrumentista, regente, compositor, arranjador Eduardo Morelenbaum (1960).
Morre no Rio de Janeiro (RJ) o compositor, roteirista, diretor artístico, produtor, cantor e ator Carlos Alberto Ferreira Braga, o Braguinha (2006).
Morre no Rio de Janeiro (RJ) o compositor Djalma Mafra (1974).
Morre no Rio de Janeiro (RJ) o compositor, cantor e instrumentista Cláudio Lopes dos Santos, o Cláudio Camunguelo (2007).
Nasce em Natal (RN) o cantor e compositor Carlos Adriano Peres Tavares, o Adriano Peres (1972).
Nasce o cantor e instrumentista Pedro Burgos, integrante da banda Offline (1987).
Nasce em Porto Alegre (RS) o instrumentista Pancho Da Cara (1972).
Morre em Campo Grande (MS) o cantor e compositor Airo Garcia Barcellos, o Airo Barcelos (2010).

Dia 25 - Nasce em Salvador (BA) a cantora Simone Bittencourt de Oliveira, popularmente conhecida por Simone (1949).
Nasce em Montes Claros (MG) a cantora e compositora Aline Mendonça Luz, a Aline (1946).
Nasce em Cuiabá (MT) a cantora, compositora e instrumentista Lucia Helena Carvalho e Silva, a Lucina (1950).
Morre no Rio de Janeiro (RJ) opoeta e compositor Hermes Floro Bartolomeu Martins de Araújo, o Hermes Fontes (1930).
Nasce no Rio de Janeiro (RJ) a professora, pesquisadora, regente e escritora Ermelinda Azevedo Paz Zanini (1949).
Nasce no Rio de Janeiro (RJ) o produtor musical Augusto César Nogueira de Carvalho, o Guti Carvalho (1952).
Nasce em Fortaleza (CE) o jornalista e radialista Jonas Vieira (1934).
Nasce em Recife (PE) o cantor, compositor e apresentador Luís Bandeira (1923).
Nasce no Rio de Janeiro (RJ) o cantor, compositor, instrumentista e partideiro Alexandre Silva de Assis, o Xande de Pilares, vocalista do grupo Revelação (1969).

Dia 26 - No ano de 1933 a rádio FM é patenteada.Morre no Rio de Janeiro (RJ) o cronista e escritor Armando de Azevedo Santos, o olho de vidro (1978).
Nasce em Belo Horizonte (MG) o instrumentista, arranjador e compositor Helvius Vilela Borges, popularmente conhecido por Helvius Vilela (1941).
Morre em Roma (Itália) o compositor Carlos Guinle (1956).
Nasce em Torres (RS) o cantor, compositor, teatrólogo e escritor Elonir Natal da Rosa, o Lony Rosa (1944).
Nasce no Rio de Janeiro (RJ) o jornalista e crítico musical Tom Cardoso (1972).
Nasce no Rio de Janeiro (RJ) o compositor e instrumentista Norival Carlos Teixeira, popularmente conhecido por Valzinho (1914).
Nasce em Santos (SP) o produtor musical Armando Soares Pittigiliani, o Armando Pittigiliani (1934).
Nasce em São Paulo (SP) o cantor, instrumentista e compositor Eduardo Letti, o Edu Letti (1974).
Nasce em São Luís Gonzaga (RS) o cantor, compositor, instrumentista e folclorista Noel Guarani (1941).
Nasce em Curitiba (PR) o arranjador, instrumentista e compositor Sérgio Justen de Oliveira, o Sérgio Justen (1973).

Dia 27 - Nasce no Rio de Janeiro (RJ) o arquiteto, compositor, instrumentista, cantor e produtor musical Maurício Tapajós (1943).
Nasce em Salvador (BA) a cantora e compositora Denise Alves Pereira, mais conhecida por Denise Dalmacchio (1965).
Nasce em Lorena (SP) o professor, regente e multinstrumentista João Evangelista (1889). 
Nasce em Montreal (Canadá) o instrumentista e compositor Jean Pierre Zanella (1957). 
Nasce em Cambará (PR) a cantora e compositora Gerli Araújo Goldfarb, a Gerli Goldfarb (1950). 
Morre no Rio de Janeiro (RJ) o poeta, ensaísta, compositor e escritor Antonio Carlos Ferreira de Brito, popularmente conhecido por Cacaso (1987). 
Morre em São Paulo (SP) o maestro Spartaco Rossi (1993). 
Nasce em São Luís (MA) o maestro, compositor, regente e letrista Alfredo Gentil Verdi de Carvalho, o Verdi de Carvalho (1885). 
Morre no Rio de Janeiro (RJ) o teatrólogo, compositor, cantor e poeta João Cândido Ferreira, mais conhecido por De Chocolat (1956). 
Nasce em Santa Cruz do Rio Pardo (SP) o compositor, cantor, violonista, arranjador e produtor musical Vasco Ramos de Britto, o Vasco Debritto (1951). 
Morre no Rio de Janeiro (RJ) o cantor e compositor Leonel Neves de Faria, o Leonel Faria (1935). 
Nasce em Itamaracá (PE) o cantor e compositor Romildo Souza Bastos, o Romildo (1941).

Dia 28 - Nasce em Maceió (AL) o baterista, percussionista e vocalista Teófilo Pereira Lima, popularmente conhecido por Téo Lima (1948).
Nasce em São Paulo (SP) o arranjador, compositor, DJ, multi-instrumentista e produtor musical Eduardo Bidlovski, o Bid (1966).

Morre no Rio de Janeiro (RJ) o compositor, pianista, violoncelista e professor Homero Dornelas (1990).
Nasce em São Paulo (SP) o músico, sonoplasta e professor de música Alexandre Branco Weffort (1962).
Nasce no Rio de Janeiro (RJ) o publicitário, cantor, compositor e produtor musical Thomas Marco Roth, o Thomas Roth (1951).
Nasce em Goiânia (GO) a cantora Wanessa Godói Camargo Buaiz, a Wanessa Camargo (1982).
Nasce no México o musicólogo, instrumentista e professor Carlos Eduardo Azevedo e Souza, o Carlos Eduardo Castilho (1969).
Nasce no Rio de Janeiro (RJ) o gaitista e compositor Manoel Xisto, popularmente conhecido por Fred Williams (1926).
Morre em São Paulo (SP) o cantor e compositor Waldemar Castellar de Franceschi, o Nenete da dupla sertaneja Nenete e Dorinho (1988).
Nasce em Belo Horizonte (MG) o produtor, cantor e compositor Eduardo de Toledo Guimarães, o Eduardo Toledo (1964).
Nasce no Rio de Janeiro (RJ) o pesquisador, escritor, professor, poeta e letrista Luis Fernando Barciela Vieira, o Luis Fernando Vieira (1945).
Nasce em São Francisco de Assis (RS) o poeta, compositor, cronista e pesquisador Salvador Ferrando Lamberty (1947).

Dia 29 - Morre no Rio de Janeiro (RJ) a cantora, instrumentista e compositora Cássia Rejane Eller por parada cardiorrespiratória, possivelmente decorrente de estresse. A hipótese de overdose como causa da morte, apontada inicialmente, foi descartada pelos laudos periciais do Instituto Médico Legal do Rio de Janeiro (2001).
Nasce no Rio de Janeiro (RJ) a cantora e arquiteta Maria Clara de Salles Redig de Campos, a Clara Redig (1943).
Nasce no Rio de Janeiro (RJ) o cantor e violonista Eduardo Braga (1963).
Nasce em Campos dos Gaoytacazes (RJ) o pesquisador, jornalista e escritor Lauro Gomes de Araujo (1940).
Nasce em Belém (PA) o cantor e compositor David Miguel (1926).
Nasce no Rio de Janeiro (RJ) o instrumentista e compositor Rubens Bastos, mais conhecido no meio musical como Rubinho Bastos (1945).
Nasce no Rio de Janeiro (RJ) o compositor Maximiliano Carvalho de Bulhões, o Max Bulhões (1903).
Nasce no Rio de Janeiro (RJ) o pesquisador de música popular brasileira e ensaísta Frederico de Oliveira Coelho, o Frederico Coelho (1974).
Nasce em Salvador (BA) o cantor, compositor, ator, produtor e apresentador radiofônico Aluísio Ferreira Gomes, o Canarinho (1927).
Morre no Rio de Janeiro (RJ) o compositor, cantor e radialista Paulo Tapajós Gomes, popularmente conhecido como Paulinho Tapajós (1990).
Nasce no Rio de Janeiro (RJ) a cantora e compositora Aline Calixto (1980).
Nasce no Rio de Janeiro (RJ) o dançarino, passista e músico Hégio Laurindo da Silva, popularmente conhecido por Delegado (1921).
Nasce em São Paulo (SP) a percussionista e baterista Simone Bento de Souza, a Simone Sou (1970).

Dia 30 - Nasce no Rio de Janeiro (RJ) o cantor, produtor, compositor e narrador Aloysio de Oliveira (1914).
Morre no Rio de Janeiro (RJ) o compositor, instrumentista e regente José Resende de Almeida, o J. Resende (1945).
Nasce em Natal (RN) o folclorista e escritor Luís da Câmara Cascudo (1898).
Morre no Rio de Janeiro (RJ) a cantora, violonista, jornalista, poetisa, rádio atriz e autora de rádio novelas Jesy de Oliveira Barbosa (1987).
Nasce em Americana (SP) Jonas Virgolino Dantas, integrante do grupo o bando de Maria (1983).
Morre em Guararema (SP) o compositor João Batista da Silva, o João Pacífico (1998).
Morre no Rio de Janeiro (RJ) o compositor e poeta Paulo Emílio da Costa Leite, o Paulo Emílio (1990).
Nasce no Rio de Janeiro (RJ) o cantor e compositor Ciro Moura de Sousa, o Ciro de Souza (1911).
Morre em Belo Horizonte (MG) o instrumentista Renato Rodrigues, mais conhecido no meio musical como Renato Andrade (2005).
Morre em Belo Horizonte (MG) o compositor e instrumentista Jonas Henrique de Jesus Moreira, o Mestre Jonas (2011).
Morre o compositor, produtor e instrumentista Carlos Alberto Piazzoli, o Piska (2011).

Dia 31 - Nasce em São Paulo (SP) a cantora, instrumentista e compositora Rita Lee Jones , a Rita Lee (1947).
Nasce no Morro da Serrinha, Madureira (RJ) Darcy Monteiro, músico profissional, compositor, percussionista, ritmista, jongueiro, criador do Grupo Bassam, nome artístico do Jongo da Serrinha (1932).
Fundação no Morro do Borel, Tijuca (RJ), do G.R.E.S. Unidos da Tijuca. Cores: azul-pavão, vermelho e ouro (1931).
Morre no Rio de Janeiro (RJ) o cantor, compositor, jongueiro e percussionista Darcy Monteiro, o Darcy do Jongo (2001).
Morre no Recife (PE) o compositor e instrumentista Lourenço Fonseca Barbosa, musicalmente conhecido por Capiba (1997).
Nasce no Rio de Janeiro (RJ) o cantor Mário da Silveira Meirelles Reis, o Mário Reis (1907).
Nasce Celso Suckow, popularmente conhecido por Bi Cosmo (1966).
Nasce no Rio de Janeiro (RJ) o instrumentista André Ciraudo Fraga Solha, o André Fraga (1975).
Morre em Olinda (PE) o compositor, pianista, regente e professor Euclides Fonseca (1929).
Nasce no Rio de Janeiro (RJ) o instrumentista, arranjador e compositor João Carlos Muniz Rebouças, o João Rebouças (1957).
Morre no Rio de Janeiro (RJ) a pianista e compositora Carolina Cardoso de Menezes Cavalcanti (1999).
Nasce em Serra Negra (SP) a cantora, compositora e multi-instrumentista Maria Fernanda Dutra Clemente, conhecida musicalmente por Fernanda Porto (1965).
Nasce em Naviraí (MS) o cantor e compositor Vinícius Fernando Karlinke, da dupla João Bosco e Vinícius (1980).
Morre a cantora Antônia Maria Pavão, a Meire Pavão (2008).
Nasce no Rio de Janeiro o flautista Artur Menezes dos Santos, o Artur Virou Bode (1887).
Nasce em Jaguariaiva (PR) o cantor, compositor e palhaço Waldemar Seyssel, popularmente conhecido por palhaço Arrelia (1905).
Nasce em Mossoró (RN) o poeta e compositor Marcos Antônio de Queiroz Lucena, o Marcos Lucena (1959).
Nasce no Rio de Janeiro (RJ) o instrumentista, produtor musical, educador e compositor Marcelo Salazar (1953).Nasce no Rio de Janeiro (RJ) o compositor e instrumentista Marcelo Fontes do Nascimento Viana de Santa Ana, o Marcelo Yuka, ex integrante do grupo O Rappa (1965).
Morre o instrumentista, arranjador e regente Moacyr de Barros Filho, integrante do Quarteto JB (1994).

LinkWithin