domingo, 26 de abril de 2009

A ACUSAÇÃO DE PLÁGIO

Foi de um radinho de pilha ligado no interior do Rio de Janeiro em 1987 que saiu o maior dos pesadelos de Roberto Carlos. A tia do advogado Sebastião Braga, um músico nas horas vagas, ouviu na voz do rei uma canção idêntica a uma composição de autoria do seu sobrinho. Avisado pela zelosa tia, e sem acreditar em coincidências, Sebastião Braga levou o caso aos tribunais e provou: 'O Careta', registrado em nome da dupla Roberto e Erasmo Carlos, é um plágio de 'Loucuras de Amor', música composta por Sebastião Braga em 1985.
O início da peleja na Justiça foi em 1990. Com base na lei do Direito Autoral (Lei 5.988/73), o advogado carioca pediu o reconhecimento do plágio, a publicação em jornal de grande circulação de notícia reconhecendo sua a autoria, a inserção de seu nome nas gravações ainda não distribuídas, além de indenização por danos moral e material. De recurso em recurso, o caso foi parar no Superior Tribunal de Justiça, STJ, em Brasília, onde os ministros bateram o martelo em favor do advogado e músico diletante. Concluíram haver identidade entre as duas canções nos dez primeiros compassos.
Comprovado o plágio, Roberto Carlos, que já perdeu quase 15 recursos, não tem mais o que fazer. Aguarda apenas a definição da 29ª Vara Cível do Rio de Janeiro, onde o processo encontra-se em fase de liquidação e execução. O prejuízo também seria do tremendão Erasmo Carlos, mas, comenta-se nos bastidores do mundo musical que Roberto Carlos vai assumir toda a dívida. Pelos cálculos de Sebastião Braga a indenização a que ele terá direito gira em torno de R$ 5 milhões. Nada mal para alguém que, em 15 anos de briga na Justiça, diz haver gasto quase R$ 500 mil só para provar que o Rei Roberto o plagiou. Um investimento em tanto mesmo levando-se em conta que Sebastião Braga é filho de família de classe média alta de Niterói, sócio-proprietário de uma empresa produtora de jingles publicitários e tem rendimento mensal médio de R$ 8 mil.
Em todos estes anos de disputa, o cantor e compositor Roberto Carlos jamais se pronunciou sobre o assunto publicamente. Quem fala por ele é seu advogado, Marco Antonio Campos que vê em acusações como a de Sebastião Braga uma espécie de indústria de indenizações da qual é vítima todo ídolo de respeito. "É comum vermos pessoas querendo se projetar acusando um ídolo", lembra Campos. "Mas garanto que, fora este caso, nunca houve outra decisão da Justiça contrária a Roberto Carlos", acrescenta.
Não satisfeito em levar o rei à lona, o advogado Sebastião Braga planeja publicar um livro sobre a disputa logo que a Justiça estabeleça o valor da indenização que lhe será paga. Com o título "O Rei do Plágio - Detalhes e Emoções na Queda de um Mito" ele pretende narrar cada etapa da briga. Inclui-se aí um encontro nada amistoso que teve com o ídolo há três anos, que, segundo o carioca, foi feito a pedido do cantor. "Ele me chamou para oferecer dinheiro, disse que daria R$ 300 mil se eu não levasse o caso adiante", garante Sebastião Braga.
Convencido de que não é a única vítima, o advogado e músico diletante incluirá no livro relatos de outras pessoas que afirmam ter tido problema igual ao seu. Entre elas, a servidora pública aposentada Erli Cabral Ribeiro Antunes, de 56 anos. A aposentada reivindica para si a autoria da canção "Traumas" que virou hit na voz do ídolo. Erli sustenta ter entregue a partitura da música com o título "Aquele Amor tão Grande" ao cantor em fevereiro de 1971, durante um show que o artista fez na cidade de Paraíba do Sul, em São Paulo. Sem grandes esperanças, teria anotado seu telefone e endereço no verso do papel para o cantor procurá-la se gostasse do material. Quatro meses depois, a surpresa. "Roberto Carlos lançou minha música como se fosse dele", afirma. A aposentada chegou a entrar com processo contra o cantor na 15 Vara Cível do Rio de Janeiro, mas desistiu por não ter o mesmo lastro financeiro do advogado Sebastião Braga. "Procurei vários especialistas e eles foram unânimes em dizer que o caso era de plágio mesmo. Só que não tenho de onde tirar dinheiro para seguir lutando na Justiça", lamenta a aposentada.


ROBERTO CARLOS (1987)
Faixas:
01 - Tô Chutando Lata
02 - Menina
03 - Águia Dourada
04 - Coisas Do Coração
05 - Canção Do Sonho Bom
06 - O Careta*
07 - Antigamente Era Assim
08 - Ingênuo e Sonhador
09 - Aventuras
10 - Todo Mundo Está Falando (Everybody’s Talking)
* A canção foi retirada da discografia depois que ela se tornou objeto de um processo de plágio movido por Sebastião Braga, que alegou que sua melodia era semelhante à da canção Loucuras de amor, de sua autoria. Após anos de processo, houve um acordo entre ambas as partes, e Roberto Carlos aceitou pagar a quantia de R$ 3.800.172,24 a Sebastião, além de em novas edições do disco, aparecer o crédito dele na co-autoria. Na caixa Pra sempre - Anos 80 esta canção foi suprimida do disco de 1987. Sebastião Braga faleceu em 2005.


ROBERTO CARLOS - PRA SEMPRE (2002)

Faixas:
01 - Pra Sempre
02 - Todo Mundo Me Pergunta
03 - Acróstico
04 - Com Você
05 - O Encontro
06 - Como Eu Te Amo
07 - O Cadillac
08 - Seres Humanos
09 - História de Amor
10 - Eu Vou Sempre Amar Você

6 comentários:

Roberto Pimentel disse...

Quem diria, Roberto Carlos plagiador! Essa comprovação põe em suspeição sua antologia musical. Quantos outros Sebastiões não tiveram suas obras copiadas. Alguns recebendo uma merreca para não levarem o caso adiante como foi oferecido ao advogado Sebastião Braga. Interessante que Roberto Carlos também é Braga. Talvez por isso se achasse no direito de se apoderar da obra. E quantos outros não ficaram na situação da mulher que não conseguiu o mesmo sucesso do advogado? Tudo isso pela vaidade, pela falta de humildade em não querer admitir o óbvio. Fatos como esse acabam manchando a biografia do "rei". Rei do plágio? Bem, quem diz é o texto.

José Ferraz disse...

Na verdade nunca fui na verdade fã de Roberto, claro, gostava de algumas músicas, principalmente as de contexto romântico, agora, saber agora que algumas eram plagiadas, isso é demais.

Anônimo disse...

Independente de ser plágio ou não, Roberto Carlos é um fenômeno mundial. Se plagiou 1, 2 ou 3 canções jamais vai apagar o brilho de um gênio da MPB.

samuel santos disse...

Na verdade o processo da professora aposentada Erli segue adiante ,o advogado de Roberto tentou acordo com ela ,de 150 mil ,uma micharia pelo tanto que ganhou com uma musica que nao e dele e nem de Erasmo ,ela nao aceitou o acordo para finalizar a açao ,o fato e que segue o processo e Roberto vai perder mais um processo e com inteira justiça

samuel santos disse...

Existem varios outros casos de plagio envolvendo claramente Roberto e Erasmo

samuel santos disse...

Na verdade o processo da professora aposentada Erli segue adiante ,o advogado de Roberto tentou acordo com ela ,de 150 mil ,uma micharia pelo tanto que ganhou com uma musica que nao e dele e nem de Erasmo ,ela nao aceitou o acordo para finalizar a açao ,o fato e que segue o processo e Roberto vai perder mais um processo e com inteira justiça

LinkWithin