quinta-feira, 5 de julho de 2012

LUIZ GONZAGA É CEM: HOMENAGEM A HELENA GONZAGA

Por Abílio Neto




No último dia 16 de junho, fez exatamente 64 anos que Luiz Gonzaga do Nascimento casou com Helena das Neves Cavalcanti, pernambucana de Gravatá, que conheceu o Rei do Baião numa emissora de rádio carioca. Helena,como sua fã, foi justamente reclamar porque ele não respondeu uma carta que ela havia lhe enviado. Como Luiz Gonzaga disse que não se lembrava de tal correspondência, levou-a para o lugar onde eram guardadas as cartas: “posta restante”. 

Ali ela se abaixou perante ele para procurar a sua carta no meio de milhares de outras. Gonzaga prestou atenção no fato de ela juntar as pernas e prender a saia ao meio. Ele disse que naquele mesmo momento pensou que ali estava uma moça com pudor para ser sua esposa. Começaram a namorar e pouco tempo depois estavam casados.

Quando casaram, Helena tinha 22 anos de idade e Luiz Gonzaga 35. Foi logo apelidada pelos amigos dele de “Madame Baião”. Não quero aqui citar o livro em que o autor mete o pau na esposa de Luiz Gonzaga, aliás, não foi nem um autor, foram logo dois. 

Helena foi uma grande mulher em todos os sentidos! Como era contadora, passou a cuidar das finanças e dos contratos de Luiz Gonzaga. Como sua mãe era viúva, Helena levou a sogra de Gonzaga para morar com eles. Dona Helena era fina, educada, polida, bem ao contrário de Luiz Gonzaga que às vezes tinha ataques de grosseria com ela e os familiares dele. Ela tinha profunda atenção com os pais e irmãos de Gonzaga e chegou até a "arranjar" casamento para duas de suas irmãs. 

Se amava Luiz Gonzaga? Muito. Até demais da conta! Se lhe foi fiel o tempo todo? Uma coisa indiscutível, apesar de algumas fofocas surgidas na década de 50. Se amava Gonzaguinha? Não sei. Ela não pôde ter filhos com o marido pela esterilidade dele, descoberta após o casamento, e via em Gonzaguinha o “filho de Luiz Gonzaga com uma mulher à toa”. Adotou uma menina: Rosa.

Se Luiz Gonzaga a amava? É inquestionável isso. Morreu em Exu, no Parque Asa Branca, em 1993, com menos de cinco anos da morte do esposo. De saudade e ataque cardíaco.

Ao longo da carreira, Gonzaga dedicou várias músicas do seu repertório para ela, algumas composições dele (sozinho ou com parceiros). Uma das mais famosas foi justamente “Madame Baião” que Luiz Gonzaga fez a melodia e os primeiros versos e o jornalista David Nasser, que era um grande letrista, a terminou.

No ano do centenário de Luiz Gonzaga é justo que homenageemos a sua grande mulher, fonte de inspiração para algumas de suas músicas. Então, vamos escutar com ele “Madame Baião”:


2 comentários:

Misturação - Ana Karla disse...

Bruno que homenagem maravilhosa.
E essa música que ainda não tinha escutado, ou se ouvi não me lembro.
Boa demais essa história.
Xeros

Hugo Bronz Cavalcanti disse...

Obrigado Bruno.

Meu nome é Hugo Bronz Cavalcanti, sou sobrinho de Luiz e Helena Gonzaga. Como meu sobrenome fala, sou sobrinho sanguineo de Helena, que era irmã de meu pai.

Tenho muito orgulho de ambos e fico triste pela ingratidão que vejo muitas pessoas falarem de minha tia, inclusive com um erro, falando que houve um disquete em 1988, fato este não verdadeiro. Gonzagão e Helena foram marido e mulher até o fim.

Em um site, vi um absurdo falando que Helena "torrou" o patrimônio de Gonzaga após a separação, fato este mentiroso e absurdo.

Meu pai, irmão de Helena, foi o advogado do Espólio de Gonzaga até o falecimento dela e, nesta ocasião, pude acompanhar a questão financeira, ou melhor, a não-financeira que tinha, pois tivemos que dar uma ajuda financeira a minha tia até o final da vida dela.

O falecimento dela foi muito abrupto, pois ela saiu de minha casa com vida e muito saudável para ir a Exu, falecer quase que no dia seguinte.

Abraços e Obrigado pela homenagem a ela.

LinkWithin