sexta-feira, 22 de março de 2013

NUNO ROLAND, 100 ANOS

Nascido em Joinville, Santa Catarina, Reinold Correia de Oliveira foi um dos grandes cantores da época de ouro do rádio brasileiro. Se vivo estivesse, estaria completando 100 anos ao longo de 2013.

Por Bruno Negromonte

Popularmente conhecido por Nuno Roland o cantor catarinense deu início a sua carreira musical na década de 30, mais precisamente em 1931 como cantor em um antigo cassino existente no município de Passo Fundo, no Rio Grande do Sul. Posteriormente alistou-se como voluntário no 7º Batalhão de Caçadores de Porto Alegre para entrar em combate na Revolução de 32. Daí veio para a capital paulista e nessa ocasião teve a oportunidade de tornar-se amigo de outro soldado, Lupicínio Rodrigues, que era crooner da Jazz Band do Batalhão. Lupicínio Rodrigues, anos depois, tornaria-se um dos mais populares compositores do Brasil. 

Depois de encerrada a revolução voltou para a capital gaúcha e em uma das apresentações radiofônicas da band jazz do batalhão no qual estava lotado se destacou como cantor e esse destaque rendeu-lhe um contrato com a Rádio Gaúcha, quando estava com apenas 19 anos. 

Fazendo um breve retrospecto de sua biografia, vemos que o cantor ainda menino já envolvia-se com música, pois tocava caixa e tarol na banda da cidade paraense de Teixeira Soares. Já na adolescência mudou-se para Porto União (SC) e por lá exerceu várias atividades, dentre as quais balconista, telegrafista e bancário. Depois de servir ao exército, foi quando finalmente mudou-se para Passo Fundo, local onde iniciou a sua carreira artística como vimos anteriormente.



Em dado momento Reinold acreditou que o sul já não era suficiente para aquilo que almejava e decidiu seguir para o sudeste, mas precisamente o estado de São Paulo, onde começou a ganhar notoriedade apresentando-se inicialmente na Rádio Record (recebendo pequenos cachês) e depois, por intermédio do violonista Garoto, conseguiu um contrato com a Rádio Educadora Paulista. Até chegar a capital paulista Nuno ainda apresentava-se com seu nome de batismo até que resolveu adotar Nuno Roland, nome com o qual tornou-se conhecido no Brasil inteiro.

Em 24 de agosto de 1934, gravou na Odeon seu primeiro disco, um 78 rotações, com as canções "Pensemos num lindo futuro" e "Cantigas de quem te vê", ambas de Ulisses Lelot Filho. Dois anos depois resolve mudar-se o Rio de Janeiro, onde assina contrato com a Rádio Nacional, cuja estreia se deu na inauguração da emissora em 12 de setembro daquele mesmo ano. 


Em 1936 gravou mais dois discos pela Columbia com ritmos como samba-choro, samba e valsa. No ano seguinte gravou mais alguns sambas como "Amor por correspondência", de Benedito Lacerda e Jorge Faraj, "Seja o que Deus quiser", de Mário Morais e Vadico dentre outros ritmos, além de ter tornado-se crooner da Orquestra do Copacabana Palace Hotel, função esta que exerceu ao longo de onze anos.



Porém se faz necessário enfatizar que  no período de ouro das grandes emissoras de rádio, Nuno não teve o merecido destaque dentre os cantores da época. Isso talvez tenha ocorrido por conta do imenso sucesso de nomes como Franciso Alves, Orlando Silva e Sílvio Caldas (artistas de grande destaque na época); no entanto chegou a gravar com alguns dos maiores e mais destacados nomes da indústria fonográfica desse período, como Linda Batista, Nelson Ferreira e Carmen Miranda).

O sucesso só veio na metade da década, mais precisamente após gravar, em 1946, a marcha "Pirata da perna de pau", do já consagrado compositor João de Barro. A canção alcançou grande sucesso no carnaval do ano seguinte e o consagrou como intérprete. Por falar em Braguinha, Nuno foi um dos maiores intérpretes do compositor carioca. Da lavra do artista, o intérprete gravou canções como "Fim de semana em Paquetá"; "Tem gato na tuba", ambas de Braguinha em parceria com Alberto Ribeiro; "Talita", de José Maria de Abreu e João de Barro; "Serenata chinesa"; "Corsário", de João de Barro e Alberto Ribeiro; "Adeus, São João", de Paulo Tapajós e João de Barro; "Lancha nova", "Meia noite", "Lobo mau", "Micróbio do samba" e "Sucessão" de João de Barro e Antônio Almeida entre outras composições do autor de "Carinhoso".



Ao longo da década de 40 teve a oportunidade de gravar com nomes como Emilinha Borba (nome de grande destaque na época) e o Trio Melodia. Sem contar com a participação no filme "Esta é fina", juntamente com Dircinha Batista, Aracy de Almeida, Nelson Gonçalves, Linda Batista e outros relevantes artistas. Já na década posterior destaca-se a sua participação nas gravações da série de marchas feitas por Lamartine Babo para os clubes de futebol cariocas. Nuno chegou a gravar as marchas do Botafogo e do Olaria, além de continuar participando, como contratado, de programas na Rádio Nacional. Suas participações na emissora eram consideradas por maestros e produtores como de alta qualidade artística, tanto que mesmo não sendo mais um dos destaques musicais da emissora sempre participava dos musicais de maior responsabilidade.


Nos anos de 1960, declinou sua atividade profissional, gravando esporadicamente, merecendo destaque o ano de 1968, quando chegou a participar do espetáculo "Carnavália" que ficou quase um ano em cartaz no Rio de Janeiro. O espetáculo, estrelado por Nuno Roland, Marlene e Blecaute, foi gravado ao vivo por Ricardo Cravo Albin e lançado em dois LP's pelo Museu da Imagem e do Som.



Nuno faleceu no dia 20 de dezembro do ano de 1975 e em cerca de 40 anos de carreira atuou em diversos selos fonográficos, dentre os quais Belacap, Caravele, Carroussel, Constelação, Havana, Pawal, Serenata e Sonivox, Victor, Todamérica e a Continental. Nesta última viveu a melhor fase de sua carreira gravando diversos sucessos. Além de ter gravado canções dos maiores compositores da época, tais quais Assis Valente, Wilson Batista, Fernando Lobo, Ari Barroso, Claudionor Cruz e Pedro Caetano, Grande Otelo, Sinval Silva e outros relevantes nomes.


Algumas de suas gravações: 

Agonia de palhaço (Toninho e Walter Juarez) - Marcha-rancho (1972)
Alegria (Fernando Lobo (arr. Nelson Ferreira)) - Frevo-canção (1939)
Ama seca (Antenógenes Silva e Osvaldo Santiago) - Marcha (1937)
Amanhã chorarás por mim (Silvino Neto) - Samba (1961)
Amor por correspondência (Benedito Lacerda e Jorge Faraj) - Samba (1937)
Ao som das balalaicas (Georges Moran e J. G. de Araújo Jorge) - Valsa romance russa (1940)
Bem boa (Roberto Martins e Jorge Faraj) - Samba (1938)
Cai sereno (Assis Valente) - Batuque (1939)
Coitadinho do pachá (Francisco Malfitano e Aloísio Silva Araújo) - Samba-choro (1936)
Coração que não entende (Assis Valente) - Samba-choro (1939)
Corsário (João de Barro e Alberto Ribeiro) - Marcha (1948)
É tão sublime o amor (Paul Francis Webster, Sammy Fain e Alberto Almeida) - Foxtrote (1956)
Escurinha (Américo Seixas, Carneiro Filho e Amado Régis) - Marcha (1957)
Eu errei (Carneiro Filho e João Bastos Filho) - Samba (1951)
Eu hei de ver você chorar (Radamés Gnattali e Ocis) - Batucada (1938)
Eu sou da Bahia (Valdemar Silva e Paulo Pinheiro) (Com Dircinha Batista) - Samba (1939)
Fala-me depois (Amoud Guedes Amorim e Jesus Schitini) - Bolero 
Falando ao coração (Mário Terezópolis) - Bolero (1957)
Fim de semana em Paquetá (João de Barro e Alberto Ribeiro) - Samba (1947)
Foi o seu amor (Cristovão de Alencar e Felisberto Martins) - Samba (1939)
Glórias ao Brasil (Zé Pretinho e Antônio Gilberto dos Santos) - Marcha (1938)
Guarapari (Pedro Caetano) Nuno Roland 1951 Valsa
Guarda essa arma (Roberto Martins e Ataulfo Alves) Nuno Roland 1937 Marcha (1937)
Hino da Juventude (Scheilla e Francisco Guércio) - Hino
Inar (Amoud Guedes Amorim) - Bolero
Japonesa (Sá Róris) - Marcha (1939)
Josefina (Antônio Almeida e Alberto Ribeiro) - Samba (1946)
Lábios que beijei (J. Cascata e Leonel Azevedo) - Valsa (1969)
Lágrimas de amor (Mário Terezópolis) - Tango-canção (1957)
Lancha nova (João de Barro e Antônio Almeida) (Com Trio Melodia) - Marcha (1949)
Lobo mau (João de Barro e Antônio Almeida) (Com Trio Melodia) - Marcha (1950)
Mãezinha (Mário Terezópolis) - Valsa (1958)
Mag Inez e Ana (Jorge de Castro, Verinha Falcão e Aloísio França) - Marcha (1964)
Mais uma ilusão (Luiz Bittencourt e José Menezes) - Samba-canção (1949)
Manon (Georges Moran e Osvaldo Santiago) - Valsa-canção (1939)
Marcha do Botafogo (Lamartine Babo) - Marcha (1950)
Marcha do caçador (João de Barro e Alberto Ribeiro) - Marcha (1957)
Marcha do Olaria (Lamartine Babo) - Marcha (1950)
Maria boa (Assis Valente) - Samba (1941)
Meu delito (Valdemar de Abreu e Alberto Rego) - Samba (1949)
Meu destino (Valdemar de Abreu (Dunga)) - Samba (1951)
Mil corações (Ataulfo Alves e Jorge Faraj) - Valsa (1938)
Moreninha linda (Georges Moran e J. G. de Araújo Jorge) - Fox-canção (1940)
Mulher fatal (Antenógenes Silva e Osvaldo Santiago) Marcha (1937)
Não posso mais (Jorge de Castro, Aloísio França e Verinha Falcão) - Samba (1964)
Não posso te dizer adeus (Silvino Neto) - Foxtrote (1936)
Nas cadeiras da bahiana (Portello Juno e Leo Cardoso) (Com Carmen Miranda) (1938)
Noite de luar [Constantino Silva (Secundino)] - Samba-canção (1940)
Ou vai ou racha (João de Barro e Antônio Almeida) (Com Trio Melodia) - Marcha (1950)
Papagaio de Berlim (Alberto Ribeiro) (Com Maria Batista, Carmélia Alves e Ruy Rey) - Marcha (1943)
Pensemos num lindo futuro (Silvan Castelo Neto) - Valsa (1934)
Perdão meu bem (Armando Marçal e Bide) - Samba (1939)
Pinião (Luperce Miranda e Augusto Calheiros) (Com Trio Melodia) - Samba-embolada (1958)
Pirata da perna de pau (João de Barro) - Marcha (1946)
Primeira comunhão (Luiz de França e Ari Rebelo) - Valsa (1958)
Quem sabe (Bruno Marnet e Clício Duarte) - Samba (1956)
Rosali (Georges Moran) Nuno Roland - Fox-blue (1939)
Rosário de lágrimas (Benedito Lacerda e Jorge Faraj) -Valsa (1938)
Seja o que Deus quiser (Vadico e Mário Morais) - Samba (1937)
Sem iaiá não vou (Antônio Nássara e Roberto Martins) - Marcha (1938)
Serenata chinesa (João de Barro) - Marcha (1948)
Sou boêmio (Raul Marques, Betinho e César Brasil) - Samba (1950)
Súplica de amor (Radamés Gnattali e Luiz Peixoto) - Valsa (1938)
Tá bem quente (Pedro Caetano e Carlos Barroso) - Samba (1951)
Tem gato na tuba (João de Barro e Alberto Ribeiro) - Marcha (1947)
Tem marujo no samba (João de Barro) (Com Emilinha Borba) - Samba (1948)
Você era valor desconhecido (Carnera e Roberto de Andrade e arr. Nelson Ferreira) - Frevo-canção (1939)
Volta (Radamés Gnattali e L. Bittencourt) - Samba (1953)

0 comentários:

LinkWithin